.posts recentes

. As letras da palavra AMOR

. Onde começa e acaba o amo...

. Uma janela. Uma porta

. A cidade como esboço

. O que escondem nas lágrim...

. Não acreditar na palavra

. A vida, às vezes, dá-nos ...

. O amor que se turva

. Fecha os olhos!

. Viver

. Construir pontes na distâ...

. É possível fazer mais (5)

. Numa só palavra

. Somos pessoas

. Em busca de…..uma porta!

. O nada que tem o olhar

. O momento de reflexão 23

. É possível fazer mais - (...

. É possível fazer mais! Ga...

. O momento de reflexão 22

.arquivos

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Dezembro 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Terça-feira, 7 de Abril de 2020

As letras da palavra AMOR

 

 

Na sensação que precisamos, chega ao que guardamos,

nas dúvidas que anoitecem.

As letras que tropeçam na memória,

são o tempo que tocar o medo,

o sentido que se desvanece na idade como sensação.

São passos…

…na decisão que pertence…

…ao ser que gostar a vida toda…

…como sensação…

 

A necessidade de não perder, no medo de perder,

cultiva quanto é,

o que não oferece o amor,

ao amor que abandona o dia.

O que aprecia o papel que tenha,

o que não tinham as letras na mistura,

que serão o incêndio na paixão,

pelo tempo que fica no princípio, à porta que corresponda.

 

Quanto tempo vão demorar unidas?

As letras na regra do jogo, são laços na união,

que ganharam juntas o que serão,

para sempre

no seu abraço de perder o fôlego,

quando éramos eternos, nas letras que são a essência

ao desejo que seja o que distingue.

 

O amor de ser…

…a construir…

…as leras que a palavra tem…

O desafio da felicidade

que procura lembrar

o que não possam apagar,

são letras na palavra amor,

a chamar por ti, no desejo que sejam lidas, pelo teu coração que

ofereça, o livro que guarda

o que não abriu.

 

Serão letras que podíamos ter,

a folhear o dicionário,

de sermos o que é um fruto,

para continuar a liberdade,

no princípio como sentido.

 

O que é a sua identidade, pelo nome das próprias letras,

serão um sonho de voar,

ao silêncio que pergunta

o que querem ser.

 

São letras sem intervalos, no tempo que a vida é,

acreditando que tudo é possível,

o que não perceba o problema,

que viver o que acharem ser,

ao que não faltará o que deviam ter.

 

A palavra que consiga explicar de nós,

o que tenhamos que viver, é o sentimento presente

que tenha de ser

o que pode acontecer como presente,

a ilusão que enfeitiça, o que imagina como seja.

 

Serão letras que acordam em nós,

o despertar entre a realidade e o sonho, como se a vida fosse terna,

o que nascer em nós na palavra.

 

O que as letras acreditaram ser único,

na expressão que será o querer,

oferecem os afetos que haverá,

na projeção que reflete,

o que escrever a palavra amor,

que é mais do que uma palavra,

a esperar o dia que se torna,

o que parecem viver as letras,

no propósito que passa de nós,

a chave do que apanhámos no tempo.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 12:55
link do post | favorito
Segunda-feira, 6 de Abril de 2020

Onde começa e acaba o amor

 

Por quem viver a inspiração, na compreensão da história, o palco está pronto, nos sinos do destino, de quem conhecer o que criou.

 

O que seguir a sua vida, na espera de uma vida toda, chama o que deixa a Terra, para dizer viver no amor à procura.

 

Antes de nascer, o que enfrentaria.

Tudo o que importava, trouxe paz na oposição, como dar a vida aos que chamam os que não estão contentes.

 

Para a vida que nascer, a vida simples que se transforma, é o querer na vida que seria construir o amor, que viveria uma vida dura.

Ensinados a esconder a dor, a Sociedade tirou a identidade na história aprendida, que certificava a verdade no seu significado.

 

A construção da razão, ficaria perto a gritar o papel importante do tempo, no tempo que era demasiado no seu nome.

 

Parecia ser o momento, que era viver no trajeto o esforço do lugar que adicionar a imaginação, nas consequências que podiam ser a ideia de não ser, sobre o que afirma o comportamento que escuta.

A chamada que viver, aconteceu na noite.

 

Encontrou a graça em deus, no Filho que foi o anúncio.

A arte de ser o que nada é impossível.

 

O que será chamado ao momento que representa Deus, significa o poder divino no significado da vida.

A sua alma e o seu coração na pureza que escolheram, era a própria vontade que tentava ter o agrado o suficiente, que acreditar o que é a verdade, na vontade que era tudo.

 

Construir a casa no amor, que aceitasse a história quando chegava, o que acreditar esconder o pecado.

É uma força que acredita ser o amor.

 

O dilema que poderá ser o medo, no apelo que denunciar a morte, era apenas o que não magoa o segredo.

A integridade e a compaixão no vazio que iria dizer, passava os sonhos que revelam a luz que dará a salvação, no nome que significa acontecer.

 

O que perguntava escolher acreditar sem ser, escolhia a estrela do céu, na interseção que seguir, a Terra sobre o tempo, no perguntar que encontrar a raiz, na resposta que pediu o que eram os dias e anos.

Na diferença que acredita que é, a maneira de dizer quem disse encontrar, será o sacrifício na decisão, que permite não olhar o poder.

 

Era o que nascer para fazer.

Para não mencionar salvar o que continuamos a ter, aos sonhos que dizemos ser, na estrada de volta que procurar.

 

A atrocidade da verdade diz escapar á história, que é agora a montanha em chamas, ao que verá a integridade que percebeu, a combinação que nos compromete, que o Filho é quem quis ser sempre.

O seu dever é proteger, porque o seu coração sabe que é sempre o que amará.

O fogo começa a correr o que ia acontecer, que despertou quem adormeceu.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 16:56
link do post | favorito

Uma janela. Uma porta

 

Serei eu. Seremos nós.

Há castelos nas ruínas.

Há uma certa esperança. O que seria.

É a vida.

Desapareceu o que não encontramos.

Um dia serei…

Uma certa semelhança. A pedra escura nos ângulos de outra história.

O que pensar ter a memória

onde estará o infinito, na fotografia que pudesse dar vida.

 

A entrega de um dia mais,

que é um dia na nostalgia,

rega as plantas em casa, de quem saiba o amor de ser,

ao tempo que não podemos ter.

Subimos a montanha,

que estava no limite,

ao que formos o que eramos antes,

porque o recomeço chama,

o que estava a construir o vazio,

a espelhar o sentimento no medo,

de acabar a oportunidade que desperdiçámos,

na forma de demora por resolver

o que trouxe o presente à ilusão da realidade.

 

As ondas batem na praia

a antecipação do que precisamos,

sem o querer o amor de esconder,

onde está o que vivêssemos,

na mentira como fazer,

os lugares impossíveis na descoberta.

 

Está a abraçar-me a desculpa

na irrealidade que temos passado.

Talvez precisemos

de um momento por viver, quanto parece

um com o outro, no caminho do desejo,

o sonho na perspetiva do desafio.

É a resposta nas palavras que possamos compreender, a equação

no caminho

de um reality show que não imaginámos.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 09:47
link do post | favorito
Domingo, 5 de Abril de 2020

A cidade como esboço

 

Sem voz. Sem pessoas.

São esboços da paisagem.

Sem movimentos. Sem momentos.

São desenhos erráticos no mistério.

Onde estão todos agora?

A mensagem do olhar na direção das estrelas.

É silêncio. É dor. É ausência.

O que descobre o horizonte onde o sol se deita?

As sombras que se afastam. Estar aonde não sejam.

Que pode ser o que não pode ser.

A chama que chama por nós.

Por um sol que acontecer.

As portas fechadas. Os corações que existem por detrás.

O que não estou que não sinta.

Nos raios de sol que se apagam.

Faz-me perceber o que sinta falta. Na falta que é beber

o presente sem sol na vista da cidade.

A mudança que é ser o que não sabia que estava.

Segundo o que nascer que criámos, o brilho através da luz.

Ver o que alguém não tem, na razão que são passos no vazio.

A diferença à espera do regresso.

A beleza do tempo às portas de ter.

O que leva o vento na passagem.

O sol que está perto.

Através das luzes e das sombras, brilha o amanhecer,

no mistério da cidade quieta.

Onde está o dia que tivemos?

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 10:07
link do post | favorito
Sábado, 4 de Abril de 2020

O que escondem nas lágrimas

 

 

O que levou a mão, ao amor que não escrevemos..

Por agradecer à janela.

O que podemos apagar?

- Não estás a contar a história toda.

- Esquece.

Tudo parecia a esperança. O que atravessava a brisa.

Todos os dias a perceber quem somos.

Estamos só de passagem.

Não entendia. A ostentação sobre o que é.

E tornámo-nos..egoístas.

O universo fez-nos sentir mal connosco próprios.

Só pensava que tinha….

- Conheço a sensação.

O que talvez fosse o caminho..

Não estava a pensar o que a vida é…

- Eu estava bem.

A certeza que temos.

- Pensei que podia passar.

..em busca de respostas.

- Não sei o que estamos a fazer.

- Não sei explicar como estamos.

- O que vou ser à porta da razão?

Não é como se julgássemos..

O que continuam os passos?

- Vão procurar-nos?

- Que estás a dizer?

É aqui que a viagem começa.

Como sendo o que sabemos…

..quem trouxer a chave…

De ter o querer que explica.

O fogo que conseguimos, segue o que precisamos.

De nós traçamos a questão do julgamento.

Avançar na escuridão.

Seremos chamados na fronteira.

Onde não há estradas.

Em encontrarmos o que é …

… a verdade.

- A paixão porque não?

- Pode mudar o que pensamos e vivemos.

Os sinais do nada…

…sabem o que imaginámos encontrar.

A direção de nós.

Onde não há estradas, o vislumbre…

…levou as lágrimas.

- O que perguntou o desejo no desafio?

Sentir o nada.

Ficou a olhar o tempo.

As escadas olharam o tempo…

…cruzando o destino da verdade…

..acariciando a busca…

O seu olhar descobriu as respostas…

…acrescentando o que deixou de ter.

- Foi um dia cheio de emoções.

- Sabes que mais? Não vou ficar aqui…

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 08:26
link do post | favorito

Não acreditar na palavra

 

 

A palavra como pilar da chamada, segundo a resposta que deixa pensar…

O que é real..

A presença da própria verdade..

Porque é o que tivesse a profundeza,

como é a voz passando o que acreditamos que não exista…

O lugar que deixa dizer a aproximação do vazio..

Quem sou eu? Onde estou? O que faço aqui?

Os seus olhos sentiram a escuridão..

Não conseguia descobrir quem..

Onde temos o coração..

A mesma paisagem.

Quero ser o que conseguir..

O túnel era o suficiente para mostrar

Um enigma de vários desejos.

De outro sonho através do sol..

A forma de começar o dia..

Não compreender o que não quer acreditar..

Teria escolhido o lugar que é uma habitação..

Recordara a brisa nas montanhas.

Ninguém viveria no nada..

Alguém em busca..

Era uma projeção a quem pensar as palavras

…para ser sem limites…

Aquele lugar interrompia os pensamentos.

É difícil viver assim..

…o que dizia ser..

..não saber para onde iam.

A suposição que dizia ser..

..o que conseguia o tempo…

Tenho de acreditar..

A lógica dos braços cruzados..era a projeção do que não é..

Para além daquele lugar..

Pó à terra..

Ver o que é verdadeiro..

As muralhas que não conseguem ver..

A dificuldade em compreender

Como afirma o que é apenas reconstruir a sua casa.

A devastação foi diminuindo até parar..

Uma vida de não amor…

…deixando chorar nos seus braços.

A luz que deixava ver a forma..

…no seu abraço que não é verdade.

Estão a acordar…

…a maioria das vezes quando o sol já nasceu há muito..

O choro que não podia evitar..

..era uma mancha que não passava de uma desilusão.

Encontramos o que se tinha tornado..

..no tempo que a dor pode lembrar novamente.

A verdade é o que chama.

Evoca profundidade e emoções.

Como se fosse uma luz..

Os feixes de luz pareciam acontecer

Deus não tinha mais lágrimas…

…ao ver os seres humanos em que nos tornámos..

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 07:56
link do post | favorito
Sexta-feira, 3 de Abril de 2020

A vida, às vezes, dá-nos uma dor

 

 

O que não tenha palavras…

que é viver apenas…

….com esperança.

É assim…

…para aguentarmos o inverno.

que ainda está, de vez em quando

o que importa,

o que precisarmos de ficar à espera

que o tempo passe,

Eu ajudo-te!

Estava no caminho, o que procuramos

e o que devia estar..

É capaz de ser.

Os tempos estão a mudar.

Usufruamos,

..se queremos continuar.

Encontramo-nos…

..vou escolher….o que temos de ter

Olha só…estamos sós…

Não te queres juntar a nós? Dançar na rua…

Chama-se imaginação!

O toque que devia ser.

O que preciso…que não está a ser o que chega.

Devolver o que se diz, perdoando o que não compreendemos…

Por me preocupar contigo..

A viagem que tentar…

O abandono do conforto…

O amor diretamente…no mistério que temos.

O que atrai o teu olhar..

O sentido que….o que faz estremecer o desejo

O que esperamos? É agora!

Mas antes…Viver apenas…

É compreender o que temos de ser

O que não temos de fazer e o que temos de ser..

O instante que…A decisão que é verdade

…porque o bem-estar é importante.

O que não perceber o nada, que diz não querer o que diz agora….

Chamava a animação suspensa....Abre muitas portas na mente.

É diferente!

Não te preocupes comigo.

O que parece que não tenha…para entregar.

Os livros, a música, o amor…que mais pode um Homem desejar?

Parecia chamar o sonho…

..no tempo que reflete o que começa a ser.

Do cume vê-se tudo. Não queres subir?

O meu coração nunca estará longe.

Acreditando mais, porque existe uma razão para viver.

O que tenho sido…como estar, o que aprendi….

……que o amor é ilimitado..

Onde está o teu acampamento? De que raio andas a fugir?

Volta à estrada.

Vamos escalar.

Para não dizer que não foi..

Será de pensar…O que olha a certeza no querer…

A interrogação que disse não trazer o que não tenha..

O desafio no significado do olhar..

Mudar a forma como vemos as coisas...para compreendermos o significado.

E, quando se ama...

O que encontrei de te encontrar….

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 07:38
link do post | favorito
Quinta-feira, 2 de Abril de 2020

O amor que se turva

 

 

O amor que se turva

na realidade de um mundo

que diz sofrer,

traz a vontade que cortar a palavra,

à alma dispersa no tempo,

interrogando a aparência porque dizia

seguir o instante

que cintilava entre as estrelas,

pintando as ruas na escuridão,

como mensagem que procura a vida

nos erros que são os lugares a dizer quem somos,

que ouvir falar uma paixão,

na atração da sua existência, dizendo indicar

o que escreve essa atração

no tempo como desejo, que não podia ser

o que percorre o pensamento,

porque nada é

o que é a Terra,

na transformação do Homem.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 09:50
link do post | favorito
Quarta-feira, 1 de Abril de 2020

Fecha os olhos!

 

 

- Fecha os olhos!

- Sim, já está!

- O que vês? O que sentes? Conta-me o que aconteceu?

- Terror. Pânico. Gente aflita. Silencio. Olhares perdidos.

A fazer a diferença, disse o que trazia o tempo.

- Posso já abrir os olhos?

- Não. Deixa sentir profundamente.

- A atenção da minha vida, que era o que pensava que não era. Percorro momentos.

Só agora dou valor ao que tinha. Apreciar as flores, o nascer do sol, o mar, as planícies, as montanhas, o pôs do sol. Saber olhar. Saber escutar. Saber cheirar. E até tocar. …

- Nunca dei valor à liberdade, e agora sei o que é não ter. Nunca dei valor à natureza, e agora sei o que é não parar de a procurar na imaginação. Não sabia apreciar as conversas das pessoas, e agora estou em silêncio.

A atitude que pensava nas palavras, ilustrava a canção do momento, na oportunidade que o Homem teve e que falhou.

No princípio da mensagem sentiu medo.

- É somente…

O desafio aonde estava o que falasse guardar para si mesmo, expressava-se agora no desejo de afirmar a intimidade, quando despertasse.

- Não olhes. Não vale.

- Talvez seja melhor não dizer.

A sinceridade do tempo não gostava do que levava a vida, chamando os contrastes, na sua vontade como resposta.

- O que eu iria ver…

Estava à espera.

- Vais precisar do sentimento de ser.

A chama da vida que forma o que tivesse a determinação, queria fazer o que dava a mão..

- O que achavas ser?

- Sinto que não queria estar só. Sempre escrevi o meu nome no fogo do amor.

- És como eu!

- Podes abrir os olhos!

Beijou-a suavemente.

- Foi tão intenso! Ainda bem que era só um pesadelo. Parecia que estava em março de 2020. Havia tantas doenças e uma dor profunda em todas as pessoas. E uma solidão imensa.

- Onde estou eu?

- É tão bom viver a vida! Desfrutarmos da vida e da natureza! É tão boa a liberdade! Eu quero um abraço apertado. Naquele pesadelo ninguém se abraçava, nem beijava.

Neste momento, agora, a luz não ilumina a escuridão.

Será apenas uma chama trémula.

Abraçaram-se largos minutos. A noção de proximidade na palavra amor .

Seria pesadelo ou realidade?

- Estou tão confusa. Preciso da assinatura do tempo.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 20:10
link do post | favorito

Viver

 

Viver é nascer.

Viver é…

Viver acontece.

É conseguimos ver, atravessando o tempo no lugar.

Viver é fácil. Viver é difícil.

Viver é dor. Viver é amor.

É o que refletem os nossos passos.

Viver é querer. Viver é ter. Viver até é, se for.

É o que não quisemos responder.

Viver é ser. Viver até é o que não sabemos ser. Viver acontece.

Viver é ter. Viver é quase tudo.

É o amor que precisamos sentir, acontecendo na espera que chegar.

As luzes da estrada surpreendem o pensamento.

Viver é ter a palavra nas palavras que a vida dá.

Viver não é o nada, porque o nada não deixa viver.

É o que podia não ter chegado, mas chegou. Mas real ou não, é viver.

Viver é procurarmos respostas e acreditarmos no espelho.

Porque não temos muito tempo. Porque a vida se escoa rapidamente.

Viver é uma busca.

Viver é escrever amor no céu e acreditar nos sonhos.

Está cheio de montanhas.

É descobrir a rota e não compreendermos porquê.

Viver é dar.

Viver é fazer a diferença, na diferença que as nossas ações são.

Por alguma razão, viver é responder às interrogações.

Viver é atitude.

Viver até é rotina. Viver é surpreender.

É ver o que não vimos…

na descoberta que revelar o que era.

Viver é falar, gostar e ver para lá da linha do horizonte.

Viver é sentir mais, quando não aprendemos.

Quando nós chegamos, o que temos é o que não continuarmos.

É o que ninguém disse, descobrir a ligação que nos envolve.

Viver é descobrir as oportunidades e respeitar os valores que sabemos dizer ser.

Viver é o que somos na luz que conhecer o bem, como projeção do desejo.

É estar um passo adiante, na determinação e no conhecimento.

São pegadas na estrada.

Viver é ter energia, no tempo que era a imaginação.

Viver é o desejo na compreensão, é lembrar aos rios o tempo que corre na vida que reflete.

Ver como seríamos capazes.

Viver é amar, ser a tentação e o desejo que tem o querer na verdade.

É o puzzle que não seremos capazes de resolver.

O condutor que nos levou, quando levou…

Viver é agradecer cada momento no coração em ação, que somos a mensagem na diferença.

Viver é fogo. Viver é o caminho, sentir o desafio que fica no silêncio.

Devíamos ter o tempo que não temos.

Para quem quiser encontrar.

Viver é lembrar, é sentir as emoções e encontrar uma razão em nós.

Viver é encontrar o significado em si mesmo, na espera da vontade.

É conquistar o nosso rumo na paixão que sentimos.

A natureza envolvente.

Viver é levar o que a vida nos oferece.

Viver é tão bom.

É a verdade mais cedo.

O céu que parece aproximar-se na manifestação do espaço.

Viver é viajar muito e não passarmos os dias na nostalgia.

Viver é desejar saber.

Com a experiência, começa-se…para dizer não ser.

É o nome que se tornou.

Viver é guardar o que esquecemos, nas lágrimas da fantasia.

É sugerir o endereço do interior, continuar a ser o que acontece.

Os mitos não substituem.

Viver é deixar pegadas dos nossos passos.

Viver é sentir a paixão.

É a resposta que queremos no tempo de ser.

Viver é querer continuar a crescer.

Viver é escutar os sonhos, no destino que é ter a distância, perto do que somos nós.

É deixar adivinhar o tempo, na manhã que parece acordar.

Há uma arte.

Viver é encontrarmos o que nos pertence.

Viver é chegar ao fim do caminho, olharmos para trás e sorrirmos…porque a luz nos disse o sentido do lugar que foi nosso.

Viver não é morrer.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 16:19
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links

.Visitantes desde Junho de 2010