.posts recentes

. O velho ancião do interio...

. Estrelinha de luz...........

. Castelo do Medo............

. Sonhar......................

.arquivos

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Dezembro 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Quinta-feira, 1 de Abril de 2010

O velho ancião do interior....

Era uma vez uma música de encantar que tentava despertar os ouvidos de um velho ancião de uma aldeia do interior.....

Na penumbra do dia...o velho respirava o aroma das emoções já vividas, anestesiando a realidade, num torpor dos sentidos e da vida.......

O velho insistia e voltava a insistir sempre.....em acompanhar o ritmo da música, embora o Tempo o tentasse seduzir para ir para outras paragens...

Respirava sempre ampla e majestosamente, numa reviravolta de preocupações que não cessavam de tentar controlar a vida....

Assim....o velho ancião do interior...quando as emoções eram chamadas...rápidamente se empoleirava no topo do corpo...e praguejava....murmurando sempre ao ouvido do Eu que ele é que tinha razão....

No tilintar de momento a momento do dia a dia...o velho ancião rápidamente assumia a liderança de um corpo e de um pensamento

Provocadoramente....nunca deixou o interior...embora o Tempo e a Sabedoria o tivessem tentado inúmeras vezes....

O Eu raramente se apercebeu o quanto pernicioso este velho ancião era....

E...assim...o velho ancião...ainda vive no interior.....

Ninguém o viu...mas ele está lá sempre......

Ah....ninguém sabe o nome dele...apenas sabem que começa por O. 

publicado por antonioramalho às 12:53
link do post | favorito
Domingo, 18 de Março de 2007

Estrelinha de luz...........

Eu quero ser Tu

                      no Eu que se

                      transforma em Nós!

Eu quero ser Nós

                      no Tu que se

                      transforma em Eu

Eu quero ser

                     o brilho e o calor

                     em teu raio de Sol..................

publicado por antonioramalho às 18:08
link do post | favorito
Sábado, 17 de Março de 2007

Castelo do Medo...................

Diante deles um castelo. Um castelo medonho e triste.

As portas estavam abertas, como sempre estão. A entrada é escura, sem qualquer luz. Está imersa numa escuridão densa.

A vida que se instala em prosseguir atrás das muralhas . A vida que é inquietude e desperdício!

Sol não há. Luz pouca. Escuridão sim.

Pedra sobre pedra numa imensidão sem cor.

Pedras de vários tamanhos .

Imensidão de vários ângulos.

Alguém que existe. Alguém que persiste. Reentrâncias. Ângulos. Incidências agudas. Obtusas. Quem persegue quem?

Barulhos e gritos de dor e desespero. Não são mitos.

Ervas daninhas que se amontoam nas reentrâncias das muralhas.

Pessoas que circundam o lugar como se algo misterioso e escuro envolvesse a vida. Pessoas que entram e não saem. Pessoas, pouquíssimas, que entram e rapidamente saem; pessoas que se recusam a entrar .

Na imensidão das cores da vida, pouquíssimas, que entram e rapidamente saem; pessoas que se recusam a entrar .

Na imensidão das cores da vida, pouquíssimas pessoas não entram.

A maioria, por uma razão , ou por outra, entram! É difícil não entrar. É difícil resistir à tentação de não entrar. Há algo de fascinante que envolve a entrada; há algo de misterioso que atrai.

E depois, à entrada, estão os senhores da insegurança a convidar a entrar. Usam todo o estratagema de marketing para incitar as pessoas a entrar . E há senhores da insegurança de vários tipos e uniformes: de trabalho, emocionais, familiares, etc, etc....

Palavras que utilizam veementemente. Sentimentos que impelem veementemente . Sentimentos e pensamentos .

A dupla infalível que constrói e que destrói; a dupla que vive e não vive.

O Sol que continua a aquecer por fora; O Sol que continua a não aquecer por dentro.

O Poeta e a Estrelinha de luz, tal como muitos outros, hesitaram, mas não resistiram a entrar.

Os senhores da insegurança emocional convenceram-nos a entrar. Foram hábeis e ardilosos.

Passo a passo, e nada mais seria igual.

A sensação que invade os seres humanos a entrar neste castelo.

A sensação de que o caminho da felicidade pode parar aqui, e não mais prosseguir.

A sensação de que o voo pode não mais acontecer.

Entraram. Devagar e receosos. Entraram no Castelo do Medo.

Acreditar, não acreditar! Confiança pouca!

Porquê entrar? Porquê não Sol?

- Porque entramos, Poeta?

- Há algo que nos impele a entrar . Há algo de muito misterioso que nos empurra para a entrada.

- Mas nós sabemos que não podemos entrar, não é Poeta?  Porque entramos  então?

- Porque não controlamos os nossos pensamentos! São os pensamentos e a insegurança que nos atraem para este castelo.

- Eu sinto que não devia entrar, Poeta! Ainda não devo estar suficientemente evoluída então como ser humano.

- Penso que não, estrelinha de luz! Eu não entrava, mas acabei por entrar por entrar contigo para te ajudar, estrelinha de luz! Ainda tens arestas por limar.

- Lindo!

-Linda!

- Cada vez está mais escuro, à medida que caminhamos. Porquê, Poeta?

- Porque o medo é mesmo assim. Quando se entra no Castelo do Medo, o caminho habitual é no sentido duma maior escuridão. É o chamado labirinto dos medos, muitas vezes intercomunicantes . Um medo continua com outro, e assim sucessivamente . Os labirintos dos medos estão entrelaçados .

- Poeta, como se faz para não entrarmos mais neste Castelo?

- Temos que amar! Acreditar no amor. Só o amor e a confiança no amor permite sair do Castelo do Medo.....e finalmente voar! O cume da felicidade está mesmo ali.

- Poeta, vamos parar! Eu não tenho medos, eu não tenho medos!

- Estrelinha de luz, ao longo do caminho que efectuámos até aqui, trabalhaste a tua personalidade, mas esqueceste de apanhar as flores da confiança. Não reparaste, mas eu tenho a mochila de caminhante cheia destas flores de confiança. Tu não tens uma única. Tu, estrelinha de luz, não tens flores de cores de confiança.

Chegaram a um terraço. Alguma luz, num Sol luminoso.

Era a fase da decisão!

Era a fase do acordar e conseguir! Era a fase da oportunidade!

Deram um beijinho da cor do Sol. Então aconteceu!

- Poeta, estás a voar! Que aconteceu?

- É o amor, estrelinha de luz! Aprendi a amar! Conheci o amor. Amar intensamente. E confia. Confiar em mim e nos outros.

- Lindo!

- Que sensação óptima, estrelinha de luz! E voou, voou até bem alto.

Breves momentos de magia.

Olhou para trás e, surpresa, viu a estrelinha de luz, inerte no solo.

- VOA, estrelinha de luz, não tenhas medo! VOA!

- Não consigo, Poeta!...Não consigo!

- Consegues! Confia! Confia e ama! Só assim podes vencer o medo!

- Não consigo, Poeta! Os senhores da insegurança estão a empurrar-me para o labirinto do medo! Não consigo sair! Vai tu, Poeta! Atinge tu o cume da felicidade!

E dizendo isto, sentiu umas lágrimas singelas e ardentes na face. Sentiu uma triteza imensa!

 

COMO SERÁ O FINAL DA HISTÓRIA, O POETA E A ESTRELINHA DE LUZ ?

VENCERÁ O AMOR?

VENCERÁ O MEDO?

 

publicado por antonioramalho às 22:53
link do post | favorito
Sexta-feira, 16 de Março de 2007

Sonhar.....................um raio de Sol.......

Sonhei que era o Sol,

Sonhei que era o vento,

Sonhei que era o mar..............

Ondas de felicidade, Dia de Sol,

                                         Vento suave, suave...............................

                                       , Dia de vida......................

Sonhei que era a vida.......................e quis caminhar.................

O Poeta sorriu à vida,

                                       sorriu ao amor..............

A Estrelinha de luz

                                       sorriu ao Sol..........

O Poeta cantou,

O Poeta amou..............

                                       as pessoas,

                                       a vida,

                                        a natureza,

                                        a beleza das pequenas coisas,

                                        o momento presente.................

O Poeta acordou................

Ops, era apenas um sonho................

Olhou para a vida e sorriu................

Acreditou, ainda que por breves momentos, que a linha entre a realidade  e o sonho pode ser muito ténue....

Basta acreditar e voltar a acreditar...................................e esperar!!!!

publicado por antonioramalho às 12:46
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.links

.Visitantes desde Junho de 2010