.posts recentes

. Na minha imaginação

. Querer ter

. Reflexão sobre…o sucesso

. O azul negro

. A cada passo fica mais pe...

. A tua presença na ausênci...

. O que oculta o tempo

. Musa? Alma gémea?

. Por te ver

. O canto que passa em ti

. Na sombra da ilusão

. O que não é apenas

. Haverá sempre montanhas p...

. Mãe terra, mãe pátria

. Sentado à tua porta

. A solidão do tempo

. As lágrimas que arrepiam

. Aa páginas em branco

. Não sabem o caminho

. Um pouco mais

.arquivos

. Maio 2019

. Abril 2019

. Dezembro 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Domingo, 25 de Setembro de 2016

Cartas de amor para um lugar em ti....

O que vem, que significa o que queremos, que conseguimos a certeza na razão, a pensar que é mesmo o coração, que há alguma coisa a dizer, no encontro em que algo na verdade a sério em que voltamos, porque não queremos as preocupações que sabemos, no que parece, na tua falta que aconteça e abre a porta.

O que precisamos que fosse e tentámos ser.

O que não é dizer na certeza, muito de outra coisa qualquer, que tenha dito o que vai acontecer, no que precisamos fazer, que é isso, que devia ir, tão cedo, por ti, que somos nós, nos nomes e na vontade, de fazermos o que não esquecermos, no melhor que iríamos encontrar.

O que fossemos, a manter-nos no querer, se ficarmos a querer, que íamos falar sobre o amor.

Tentar compreender o que precisamos, no espaço que entende a distância, que aparece no que precisamos de estar, a procurar o que dissémos, no essencial que existe e somos.

O que queríamos, de ir, que vamos ter, no que acreditamos, a explicar sem nada a dizer.

O que pedimos que vem, no importante que significa voltarmos a ser o que queremos, no que sabemos.

Mais tempo, que queremos no segredo, em tudo de nós, que dizemos, sem dizer.

Gostar de ti, de dia para dia, que aceitámos apenas assim, não longe de ti.

Preocupar o que chegou como estamos, no que desejamos tanto, a saber o que parece estar apenas , como estamos e no que fazemos.

Para ti, no que parece estar o que interessa e no que pensamos e agimos, que fosse real o sonho que conhecemos, nas possibilidades de sermos felizes, que gostamos e queremos, no aspeto que podemos falar, em ideias que voltamos a ser para sempre

O coração num lugar que não deixa viver sem ti.

publicado por antonioramalho às 18:56
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
20
25
26
27
28
29
30
31

.links

.Visitantes desde Junho de 2010