.posts recentes

. Só tu e eu

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. O que distingue o tempo q...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. O sentido para a vida

. O amor é vida

. DIA DA MÃE

.arquivos

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Dezembro 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Terça-feira, 7 de Abril de 2020

As letras da palavra AMOR

 

 

Na sensação que precisamos, chega ao que guardamos,

nas dúvidas que anoitecem.

As letras que tropeçam na memória,

são o tempo que tocar o medo,

o sentido que se desvanece na idade como sensação.

São passos…

…na decisão que pertence…

…ao ser que gostar a vida toda…

…como sensação…

 

A necessidade de não perder, no medo de perder,

cultiva quanto é,

o que não oferece o amor,

ao amor que abandona o dia.

O que aprecia o papel que tenha,

o que não tinham as letras na mistura,

que serão o incêndio na paixão,

pelo tempo que fica no princípio, à porta que corresponda.

 

Quanto tempo vão demorar unidas?

As letras na regra do jogo, são laços na união,

que ganharam juntas o que serão,

para sempre

no seu abraço de perder o fôlego,

quando éramos eternos, nas letras que são a essência

ao desejo que seja o que distingue.

 

O amor de ser…

…a construir…

…as leras que a palavra tem…

O desafio da felicidade

que procura lembrar

o que não possam apagar,

são letras na palavra amor,

a chamar por ti, no desejo que sejam lidas, pelo teu coração que

ofereça, o livro que guarda

o que não abriu.

 

Serão letras que podíamos ter,

a folhear o dicionário,

de sermos o que é um fruto,

para continuar a liberdade,

no princípio como sentido.

 

O que é a sua identidade, pelo nome das próprias letras,

serão um sonho de voar,

ao silêncio que pergunta

o que querem ser.

 

São letras sem intervalos, no tempo que a vida é,

acreditando que tudo é possível,

o que não perceba o problema,

que viver o que acharem ser,

ao que não faltará o que deviam ter.

 

A palavra que consiga explicar de nós,

o que tenhamos que viver, é o sentimento presente

que tenha de ser

o que pode acontecer como presente,

a ilusão que enfeitiça, o que imagina como seja.

 

Serão letras que acordam em nós,

o despertar entre a realidade e o sonho, como se a vida fosse terna,

o que nascer em nós na palavra.

 

O que as letras acreditaram ser único,

na expressão que será o querer,

oferecem os afetos que haverá,

na projeção que reflete,

o que escrever a palavra amor,

que é mais do que uma palavra,

a esperar o dia que se torna,

o que parecem viver as letras,

no propósito que passa de nós,

a chave do que apanhámos no tempo.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 12:55
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
15
16
17
22
25
26
27
28
29
30
31

.links

.Visitantes desde Junho de 2010