.posts recentes

. Dia internacional do beij...

. ...

. ...

. ...

. ...

. Os ratinhos

. O que estamos a procurar?

. Porque és mulher

. ...

. O que traduz o amor

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. Esses olhos

. ...

. ...

. ...

.arquivos

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Dezembro 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Domingo, 2 de Agosto de 2020

...

Porque não consigo esquecer-te

na história que sempre sorri,

ao jogo que sempre pergunta,

o que aparecerá no amanhã

sem pensar

o que esquecer,

que deixei voltar para a montanha,

a solidão de outrora,

a olhar de volta a madrugada,

antes do dia nascer.

 

O que é saber apenas

o que deveria saber o que é,

o que somos nós,

apreciar o que sentir,

que somos apenas o que chamar a quem.

 

Eu não consigo viver sem ti,

aos ventos que gritam na noite

que o fogo é a chama,

que deve ser

alguém que está,

que não possa mais viver a solidão sem ti.

 

Sem o teu abraço,

sem o teu calor,

não consigo mais entrada na montanha da vida,

que não consiga esquecer que és tu

a minha história que assina,

sem rumo no olhar,

que perguntar para onde vais,

que disseste não saber.

 

Encontrar a porta que ficou invisível

sem nunca perceber as lágrimas que apareceram,

é também,

o que era seguir na diferença,

a verdade

que não possa não querer

o que não consiga viver sem ti.

 

O que diga que é,

conseguir passar no querer,

assinei

o desconhecido sem ti,

que é o não

na caminhada que dá

o meu número à vida que não vivo.

 

Sem ti,

não consigo chamar o tempo,

ao tempo que está

nos teus olhos sem mim.

 

Nos teus olhos imaginei o céu

que senti de ti,

o que sou

sem olhar como o vento,

o amor que estou sentindo

ao mesmo tempo que havia,

o que começou na entrega,

que esqueci o meu lenço nas lágrimas que caem.

O tempo começou…

 

Que sou teu,

no destino que é saber

o fim da viagem

ao que é o céu que havia,

na diferença que está

no teu olhar sem mim.

 

E eu quero-te. Amo-te.

O que diz importar o que sempre será.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 12:44
link do post | favorito

...

Dançando comigo

o amor,

quando o coração acredita,

ser teu

na porta que esqueceu as lágrimas,

que só existe uma maneira de olhar o mar,

na luz que viver dançando,

atravessando a distância entre nós,

a vida que o infinito traz,

que é só dizer sentir

o amor,

mais de mim,

ao tempo que a vida vestir.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 12:02
link do post | favorito
Sábado, 1 de Agosto de 2020

...

O reflexo no êxtase

que o tempo aceitou,

é a fronteira na nudez do teu corpo

ao toque das minhas mãos,

a chama escondida

que traz o desejo em mim,

como uma vontade que está escrevendo no coração,

a verdade que é

o que constrói o significado do amor,

que não há mais o tempo que ser,

na diferença que conheça o que é.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 11:07
link do post | favorito (1)

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links