.posts recentes

. Dia internacional do beij...

. ...

. ...

. ...

. ...

. Os ratinhos

. O que estamos a procurar?

. Porque és mulher

. ...

. O que traduz o amor

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. Esses olhos

. ...

. ...

. ...

.arquivos

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Dezembro 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Sábado, 27 de Junho de 2020

Quero tocar-te

 

 

Quero tocar-te o corpo, a alma e o coração.

Quero entrar em ti, ser o querer, o pensamento e a voz.

Quero ser teu eternamente.

Quero ter-te na chave que disser perceber, a mudança da lua, ao sol que ouvir a ansiedade.

Quero ser a melodia que dirá tocar o teu caminho, no amor que é vencer,

ao coração como desejar o que é agradecer o caminho de te encontrar, para sorrir ao que era conseguir.

Quero ser o teu sentir, o teu viver, o teu respirar.

Quero ser a tua atenção, na tração que conseguir não deixar de pensar em ti.

Quero perguntar ao vento a inquietação que me assiste ao acordar no olhar, que pensava como estaria.

Quero esperar por ti,.

Pensar na expressão que voltar a olhar, de ser o que precisava de estar, o que poderia ser, o que tinha de ser.

Quero estar ao teu lado a olhar o pôr-do-sol, como estava o que era essencial, no beijo interminável que contar o nosso abraço que sentir.

Quero deixar o que lembrar, de ser teu na esperança de ser.

Quero oferecer a minha vida na satisfação de dizer que te amo.

Quero ser a chama que partilha, o calor que tivera sem cessar.

Quero estar no teu lugar, ser teu onde não há o que faltar.

Dizer que te amo até ao amanhecer que abraçar os corpos no sussurro, e agradecer o que disse o amor.

Quero continuar a olhar-te no tempo que vive em nós, que entender alguém ao luar, onde estava o que parecemos sonhar, que gostar de ti é acrescentar o que gritar a diferença, na diferença que é amar-te.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 10:55
link do post | favorito
Quarta-feira, 24 de Junho de 2020

...

No teu corpo que tocar,

deslizo a minha mão por ti,

quanto é desejar

o tempo que corre a lembrar,

a ternura

na intensidade que é,

o suficiente que tocar

o amor sem limites,

ao teu corpo em mim que desafiar.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 13:15
link do post | favorito
Terça-feira, 23 de Junho de 2020

...

Entre lágrimas no olhar,

os meus versos

escreverão amor em cada momento,

que sentir o que viviam os teus passos

em mim,

querendo falar a dor

de estar longe perto de ti.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 08:53
link do post | favorito
Sexta-feira, 19 de Junho de 2020

...

De ter as flores que não te dei,

na janela que está

ao tempo que parece dizer

que fica na semente do caminho,

o que é o amor

de ser a verdade que é,

onde não sei o que tem

a mensagem no desejo,

espera o papel de querer

o sonho que és,

no lugar de mim que é começar,

o que tenha a espera que estar

ao que pensa o momento receber,

na razão que tem

a vida que não pensa,

onde o silêncio está sempre a dizer

o que sentir,

que diria que veja

o amanhã

na entrega que olha o nada.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 15:25
link do post | favorito
Quinta-feira, 18 de Junho de 2020

...

Para vivermos

na atração que tem a luz,

preenchemos o que vemos,

de nós que queremos conhecer

o tempo que é viver,

na escolha que é

o que aprendermos a sentir,

ao tempo que estiver

para ficar,

o que não é escrever

no céu como limites a fazer,

o que queremos mudar

na chama para viver,

porque queremos o que o amor é.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 17:28
link do post | favorito
Terça-feira, 16 de Junho de 2020

...

Quando os teus lábios tocarem os meus,

o meu desejo irá perder-se

no silêncio das palavras,

e o teu olhar aprisionar o meu coração.

Nesse instante,

quero amanhecer no teu corpo.

Quero ser teu,

perder-me nas tuas muralhas e esquecer-me de tudo

Quero sentir a intensidade do sol.

Eu quero amar-te

intensamente,

e vestir o teu corpo no meu.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 15:29
link do post | favorito

...

A luz que salpica

a madrugada,

do que fizera a fantasia

quando estás perto,

é um tempo tentando parecer

os passos de te levar à loucura,

no amor em todo o sentido,

que diz entender o que despertou

em meu corpo a desejar-te.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

 

publicado por antonioramalho às 11:30
link do post | favorito
Quinta-feira, 11 de Junho de 2020

...

O desenho que escreveu a paisagem

no significado da vida,

como um rio que fosse guardar o sol

nas páginas em branco por escrever,

chega na profundidade de uma lágrima

conseguindo ser os versos do silêncio,

a construir o papel importante do ser,

como o tempo no poema

que pinta a transparência na diferença,

sobre a essência que seremos.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

 

 

publicado por antonioramalho às 10:38
link do post | favorito
Quarta-feira, 10 de Junho de 2020

...

O silêncio que procura

o que escrever

nas ondas do mar,

desenha as lágrimas que não tenho

nas árvores que bebem o silêncio.

Será como um eco do instante,

ao vento levando o olhar.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 09:25
link do post | favorito
Segunda-feira, 8 de Junho de 2020

A saudade como a chuva

 

 

Bate forte

à janela que dói,

vivendo o poema da tristeza

no mar que agita o silêncio,

deixando ouvir

o que quebra as ondas na canção,

para dar sentido à chuva

no silêncio olhando sem saber,

o que importa viver para compreender.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 09:10
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links