.posts recentes

. Só tu e eu

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. O que distingue o tempo q...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. O sentido para a vida

. O amor é vida

. DIA DA MÃE

.arquivos

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Dezembro 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Sexta-feira, 3 de Abril de 2020

O que é azul na cor quente

 

 

O que imaginar pensar

a minha vida,

que acontecesse o que sabe um instante, tinha razão

ao que vestir a luz na escuridão,

no significado que tentarem dizer as palavras

que olham o amor que fica comigo,

a perguntar a razão às dúvidas do destino,

à porta que caminha

a encantar

o teu rosto em silêncio, na intenção

que imaginar a resposta, que pensou tornar-se as palavras na paixão

à chuva,

que era o próprio amor no desafio,

ao céu que é beijar os teus olhos

na beleza que te escolheu.

 

O que seria a diferença,

à dor que sabe desviar o olhar,

que nada tinha

o que seria entender o que disse aceitar,

o melhor amor é..

o que quero eu,

às palavras na resposta

na paixão que seria por ter,

o que imaginar nas nossas vidas,

a olhar as tuas palavras

que eram um azul

no teu sorriso que fica comigo, nos meus sonhos

que recebem de nós,

que o amor é real,

como alegria que fosse o desejo,

como uma janela na paixão,

que tinha esperado por ti.

 

O que seria atravessar o momento,

olhando a tua beleza

que escreveu em mim,

o azul que viveu

o que são as estrelas no momento,

diz sentir os teus sonhos em mim,

a escrever o que é dizer amar,

ao silêncio que decidiu escrever o que procurou

entre nós,

o olhar escondido que aceitar

que éramos nós,

à janela na paragem de um caminhar,

nas respostas que realçam a tua beleza, ao tempo que afasta

o que não temos,

que é a intenção que trouxe o amor,

ao que sentiu a minha mão na tua

a dançar ao vento,

o destino que entrou em jogo,

procurando a porta que chama por amor.

 

A história que lê o tempo,

ao amor como fogo que pareceu encontrar,

anunciando o dia que sentir

o que conheceu o amor,

que fica a olhar-te intensamente

no suspiro que abrir a porta,

ao momento como vontade a quem diz ser,

o que estava sob a luz,

na presença como tempo que despertou

os teus olhos que brilhavam de viver,

nas páginas que estão a tocar

quanto havia para amar,

olhar que foi o prazer

a decisão que é o que podemos ser,

naquele sorriso que chegou,

ao que percorreu o meu corpo

nos gestos que sempre disseram

que é o amor a dizer que encontrou a porta,

do que parecia espreitar o sonho,

o desejo de ter

a tua paragem que murmura o momento,

para atravessar a brisa que seguia

e saltar a estrada do destino,

porque o meu amor

envolvia o teu,

na estrada que aquela porta abriu.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 15:17
link do post | favorito

A vida, às vezes, dá-nos uma dor

 

 

O que não tenha palavras…

que é viver apenas…

….com esperança.

É assim…

…para aguentarmos o inverno.

que ainda está, de vez em quando

o que importa,

o que precisarmos de ficar à espera

que o tempo passe,

Eu ajudo-te!

Estava no caminho, o que procuramos

e o que devia estar..

É capaz de ser.

Os tempos estão a mudar.

Usufruamos,

..se queremos continuar.

Encontramo-nos…

..vou escolher….o que temos de ter

Olha só…estamos sós…

Não te queres juntar a nós? Dançar na rua…

Chama-se imaginação!

O toque que devia ser.

O que preciso…que não está a ser o que chega.

Devolver o que se diz, perdoando o que não compreendemos…

Por me preocupar contigo..

A viagem que tentar…

O abandono do conforto…

O amor diretamente…no mistério que temos.

O que atrai o teu olhar..

O sentido que….o que faz estremecer o desejo

O que esperamos? É agora!

Mas antes…Viver apenas…

É compreender o que temos de ser

O que não temos de fazer e o que temos de ser..

O instante que…A decisão que é verdade

…porque o bem-estar é importante.

O que não perceber o nada, que diz não querer o que diz agora….

Chamava a animação suspensa....Abre muitas portas na mente.

É diferente!

Não te preocupes comigo.

O que parece que não tenha…para entregar.

Os livros, a música, o amor…que mais pode um Homem desejar?

Parecia chamar o sonho…

..no tempo que reflete o que começa a ser.

Do cume vê-se tudo. Não queres subir?

O meu coração nunca estará longe.

Acreditando mais, porque existe uma razão para viver.

O que tenho sido…como estar, o que aprendi….

……que o amor é ilimitado..

Onde está o teu acampamento? De que raio andas a fugir?

Volta à estrada.

Vamos escalar.

Para não dizer que não foi..

Será de pensar…O que olha a certeza no querer…

A interrogação que disse não trazer o que não tenha..

O desafio no significado do olhar..

Mudar a forma como vemos as coisas...para compreendermos o significado.

E, quando se ama...

O que encontrei de te encontrar….

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 07:38
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
15
16
17
22
25
26
27
28
29
30
31

.links

.Visitantes desde Junho de 2010