.posts recentes

. As letras da palavra AMOR

. Onde começa e acaba o amo...

. Uma janela. Uma porta

. A cidade como esboço

. O que escondem nas lágrim...

. Não acreditar na palavra

. O que é azul na cor quent...

. A vida, às vezes, dá-nos ...

. O amor que se turva

. Fecha os olhos!

. Viver

. Reescrever a palavra Amor

. Construir pontes na distâ...

. De que cor é o amor?

. EXISTE UM CÉU!

. É possível fazer mais (5)

. Numa só palavra

. Somos pessoas

. Em busca de…..uma porta!

. O nada que tem o olhar

.arquivos

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Dezembro 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Terça-feira, 31 de Dezembro de 2019

Lembras-te do meu nome

 

O que disse que eras, quem disse que não, acha que és mesmo

o encontro das ondas

num livro de sonho,

que vier descobrir

o caminho, que é o primeiro dia

em lugar de versos,

que se escondem no que vamos encontrar,

que damos o que se passou, na espera do momento,

a estátua do passado

na passagem a um coração que procura

o que a alma lembra que pode vier a ser,

num gesto que desprende a noite que era o que tinha, que não tinha,

o nada no acesso ao dia seguinte,

na força que chamou

a história de um novo ano, a lembrar muito a virtude,

que disse desdobrar-se por tantos dias,

a segurar a porta da passagem,

que espreita um novo ano,

a querer saber a segurança de quem és tu,

vestindo a esperança de um mundo melhor,

na ponte forte da passagem

que toca o teu corpo no desejo,

ao sol de um céu que se esconde na sombra do luar,

como descobrir a tua voz

no rosto do horizonte.

Nos confins de um sonho,

a passagem da palavra amor,

no desejo que atinge o que deve ser entender

os remos que possam estar na outra margem,

à tua espera

ganhando o tempo de amar.

O meu nome era 2019.

Feliz 2020.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 12:37
link do post | favorito
Domingo, 29 de Dezembro de 2019

De onde vem a maldade?

 

 

De onde vem a maldade?

De que raiz? De que semente?

A guerra responde ao nome, na sua aproximação.

Para ser sincero…

da luz não é certamente.

O que tenha de dizer, porquê?

Seremos pós. O que fizemos?

Esperarei lá por ti. A pressão é o caminho como postal.

A carta está aberta. Ninguém escapa, o que também é a fonte de esperança e coragem.

É inaceitável.

Um coração que caminha na decisão difícil, na ideia que renasce na opção, falou do que consigamos, no ser como alma, que são lágrimas sem fim.

Em busca do que cada um é,

no fogo que é impossível, pode o mundo conter-se a atravessar as colinas?

O fogo do ódio, que não acredita na aurora,

quer dizer que não é,

a ideia do agora,

que não há razão que pudesse ser.

Avançar, que sabe o que é ser,

que tenha esquecido,

o que era o sol entre as nuvens,

é aquela porta.

Avançar!

Antes de partir, mostrou onde ir,

pediu para dizer que não sabia nada.

Mas uma palavra não está no confronto,
passou do papel que somos apenas pó, um dia.

A sua escolha?

Eu vou sozinho para o mar, abrir o caminho, na importância do caminho, que não sei o fogo que será.

O fogo será o tempo para apagar.

És a minha luz!

Havemos de conseguir!

Continuar a avançar até ao pôr-do-sol.

Um dia vais perceber! Vamos chegar.

A verdade?

Estou à procura.

Onde estiveres, vejo um navio chegar ao porto.

A raiz da maldade, que cresceu em quem está, na fotografia que não faz a diferença.

Em busca do que podemos ter de nós.

Será o sol a brilhar?

Será o tem a escuridão?

Atravessar a noite na maldade imensa?

Para onde vais Mundo?

Para onde caminhas?

O que representas? O nada.

O que é difícil de dizer, que não me parece suficiente, como for a decisão, nas trepadeiras que engolem tudo.

É tudo.

Os dias que parecem séculos, não poderiam ser vida nas margens. Perderam-se sozinhos, no significado que ainda está em realizar.

O que ainda estiver a bordo, encontrá-lo-emos.

Não sabemos o que estamos a fazer ao outro?

Começar do nada.

O que não dignifica o homem na turvação da alma.

Serás vida? serás morte?

Quero voltar.

O tempo corre demasiado depressa.

Quero permanecer, quero chegar à outra margem.

As colinas do amor serão azuis a tentar dizer estar, de onde vem o querer.

Continuar o nada.

Esconder o espelho que acende em nós a chama?

É o quê?

A conquista de que somos prisioneiros da vida.

Na questão que é ser, importa quem somos.

Olhamos o que não sentimos, no nada que importa.

Ainda não sinto isso. Porque sei esperar.

Não quero sentir a guerra. As aves voam no alto, tão bonitas.

Fiquei demasiado sozinho. Um dia encontrar-nos-emos.

Ajuda deixar?

Para onde caminha o Mundo?

Para onde caminha a vida?

No alto das colinas, serás vida, serás amor.

Éramos unos, até nos dissolvermos.

Tocar o outro, abraçando o tempo.

Foi isso que viemos descobrir.

Deixará aqui o que importa a verdade.

Há paz. Há de aparecer alguém.

Lembrar-mo-emos?

Que fizemos?

Um olhar vago no infinito, que nada fazer em quem eixou entrar quem era.

Continuamos a acreditar na luz e na harmonia.

Continuamos a ser.

Não há dor sem resposta.

Saberemos onde estamos? A que distância?

Fica junto ao rio. Tudo o que ouves, tudo o que vês, um dia após outro.

Se alguma coisa o Homem pode fazer é encontrar o amor.

O desejo onde for, que a vida pode oferecer.

És a minha luz!

Havemos de conseguir!

Nas lágrimas sem fim, há corações que caminham.

Tenho a certeza de que consigo entrar.

Como sabes que há?

Encontra-o!

Já vou a caminho.

 

António ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 11:39
link do post | favorito (1)
Sábado, 28 de Dezembro de 2019

O que gosto de ti

 

 

Na alma que se despe à pressa,

por esconder os teus olhos

no sol,

a noite faz de nós os teus lábios,

na vida que exulta no amanhã,

em muito que dizer,

como o vento a passar

É a voz no fogo que esperávamos

acreditar decifrar, o fruto de ser

o que arde no lugar, que dissesse de quem é sem fim,

o beijo quanto falaria a noite escura,

que oculta o que gosto de ti…

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

 

publicado por antonioramalho às 12:16
link do post | favorito
Sexta-feira, 27 de Dezembro de 2019

Preciso de ti

 

A conversa interrompida,

na cidade que pulsava, na tentação que senti

em cada gesto que perdi,

em cada palavra que se tornou silêncio.

Parecia ter a perfeição,

no bem que deslumbrava

o que não interessava durar,

a mesma sensação

como era vontade, a contar as histórias da vida,

na memória que se desvanecia.

Preciso de ti,

no abandono que não consegue que a vida fosse,

o que a vida faz de nós,

que tivesse de saber fazer

o que podia ter,

muito a sério que levar o amor,

que ainda não tinha dito ter.

Preciso de ti,

no teu nome que encaixa em mim,

que queria sentir o amor na escrita, o que devemos querer ser,

preciso de ti.

Sentir aquém da expectativa,

sentir o que pedia que tivéssemos,

que o vento leva o amor

a chamar por ti,

na canção de sempre, que quer ser o que dizia conseguir.

Preciso de ti,

a compreender a vida que desenhasse.

preciso de ti, na intenção que levou o que dizer

aos teus lábios que não beijei,

o amor que parecia estar a ouvir.

Preciso de ti, como água,

na espera que se apaga,

como se as palavras tivessem vida.

Preciso de ti,

no tempo que se apaga….

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 11:08
link do post | favorito

Por sombras

 

O que não tenha

o sorriso que nunca encontrou a viagem,

o que era descobrir

o que escreveu o olhar,

suspirou

o que era vislumbrar o aceno

na outra margem do prazer,

que trocar a verdade

para dizer o que repetiu o olhar,

era a saudade

que escolheu o coração,

na ousadia do acaso,

na rua de viver, que fosse o mesmo tempo que sou,

nas palavras que mostraram o silêncio.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 08:41
link do post | favorito
Quarta-feira, 25 de Dezembro de 2019

Dentro do teu coração

 

Dentro do teu coração, onde estiver o sol na canção,

acredita saber que foi deitar o medo,

na resposta à tristeza, no cedo que amanhecer

a poder ter

o que precisava de ter, o que procuravam

as tuas lágrimas na verdade.

A voz além de querer o que estava a fazer,

escondeu-se no sentido do amor,

que viver sem ti é não viver.

Conhecer-te foi a verdade

na estrada que guarda a paixão,

o caminho que se estende para ti,

pela mão do amor,

que aprender a aceitar o que contou entregar.

Dentro de ti

não encontras mais um vazio,

que irá perder-se na força do contrário,

que se foi embora sem se despedir

do porquê,

amando.

Sem mais medos, irás sentir

o que foi ver a verdade,

a conseguir encontrar o herói dentro de ti,

quando começaste a amar,

o amor

que viverá os teus sonhos dentro de ti,

no caminho de Deus.

Amando o que viverás,

no espelho do herói em ti,

surgirá o momento que pensavas não ter:

o amor dentro de ti.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 17:17
link do post | favorito

O caminho na estrada do que somos

 

Onde não somos o lugar, que corremos demais o que não vemos,

no caminho sobre pensar o que não será viver,

que queremos no propósito, a meta suposta na viagem sem fim,

a pressão que tem de estar, quanto queria a paragem,

a tentar ganhar quanto mais queria,

o que não repara em nós, que vamos fazer

uma canção que queremos cantar

que nem sequer sabemos cantar

o melhor de nós que é ser,

a verdade a pensarmos ser,

para se cantar quando nos apaixonamos,

que parecemos imaginar

o que queria no encontro, o sol que partiu nas lágrimas,

em silêncio onde estava, o que às vezes pensava sentir de nós,

a alma de quem vive o que somos,

no avesso do lado errado,

que fosse o que espalhou a perfeição,

na palavra como exemplo

quanto sabemos cantar

o que em nós passa a ser quem ganhou,

porque achamos que somos,

para não esquecermos,

aquilo que está escondido na capa que tecemos

na aparência de um mundo que é sobreviver,

o que trancamos para ninguém,

de nunca sermos quem somos

realmente, à espera algures do que acontecer,

que não foi o que quisemos dizer,

às montanhas que se deitam no impossível, tropeçando no que não conhecemos,

fingindo estar o que sugere a vida no propósito,

como descreveria o que não sabia que era a forma, que transformava a música

que suponha ser o papel na dor, de outra forma como viva a dor, na outra forma que diga estar para não ser.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 16:12
link do post | favorito
Sábado, 21 de Dezembro de 2019

É Natal!

A gentileza que merecia ser um passo, adensou-se nas circunstâncias que não soubera como fora, através a inspiração de ninguém, que tentou encontrar as palavras certas, na emoção desconhecida, a bater à porta.

- É Natal!

- Onde?

Aquelas palavras olharam à janela o que queria pronunciar aquele desconhecido. Era amor que os olhos desafiavam.

Sabiam de ninguém o que estava a ser, abrindo os braços à compaixão, por se encontrar.

Ficar a olhar o tempo, que se disfarçava a si mesmo, nas cores e nas luzes, a mudar a satisfação, como um prazer aos presentes, que o afastava da janela.

Continuou com as mãos cruzadas, incapaz de reter as lágrimas. Incapaz de reter as lágrimas porque o mundo não se atreveu a entender o seu significado.

Olhou para a janela e seguiu a música que se esqueceu do amor, nos festejos pelos bens materiais, sem princípio de perdão que sirva como procura das palavras certas.

Olhou à volta e dirigiu um sorriso ao céu.

- Onde está a estrela?

- Fecha a porta! Não é Natal.

Sem hesitar, acrescentou:

- E se o amor chegar?

Aquela determinação abraçou o carinho, na sua agitação enquanto rosto que começava a percorrer o seu corpo como ideia.

- Não compreendo!

Os olhos pararam no entusiasmo, mas o coração continuou a bater.

Fechou a porta devagar. O amor poderia chegar.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 09:44
link do post | favorito
Quinta-feira, 19 de Dezembro de 2019

...

O que perceber

sem o tempo que ficou,

correr

o mesmo destino como inspiração,

disse despir os teus olhos

no sorriso que fitou, o que conseguiu deter

as lágrimas

que acreditaram em ti, sem dar tempo à mão

que deslizou pelo teu rosto,

acariciando o que podia dizer o desejo.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 16:34
link do post | favorito
Segunda-feira, 16 de Dezembro de 2019

Abrir portas

 

 

São sinais,

que decidem a coragem,

na equação que permite sentir

o certo e o errado,

no sentido diferente,

no essencial que é a simplicidade,

a felicidade como êxtase,

a lembrar aquela luz, que se tornou o que damos.

Como mudou,

que faz sentir quanto buscamos,

o que faz sentir a mensagem, que fazer melhor

na escolha das acções,

será luz, será amor,

é uma canção a perguntar o que fazer,

o que falava através

da forma de viver e acreditar.

Será luz, será vontade, o que gostaríamos de ser,

que haverá um caminho,

na imperfeição que somos,

o que vemos,

no significado que chegar.

Será luz, será amor?

Através dele, o que pedimos,

que chegar é trazer luz,

a escolha que dirá a verdade

que é o essencial no momento que revelar.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 08:24
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links

.Visitantes desde Junho de 2010