.posts recentes

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. As nossas mãos

. ...

. Quero tocar-te

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

.arquivos

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Dezembro 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Domingo, 29 de Setembro de 2019

Queria ser

 

Quem o teu amor olhasse,

como gostava,

ao espelho de estar contigo,

a poder entender o que distinga a cor do teu abraço,

que beija o teu rosto

na mulher para ter,

o abraço que emoldurar a doçura,

a sonhar no teu encanto,

que nos beijemos apenas.

Queria ser

tudo o que esquecesse,

para ecoar em mim o teu amor,

ao som dos corpos nus que se envolvem,

na lua que dança para nós,

que é sempre o meu olhar.

Queria perder-me em ti

na chama que tenha o amor,

que morar na hora sem pausas,

que dissera o sorriso ter,

de quem é o corpo que me abraça,

enquanto espelho,

que devia ser o meu amor por ti.

Queria dar-te o luar,

aconchegando o calor,

sonhando na noite das estrelas cintilantes,

a cruzar as mãos que não se desprendem,

num suspiro bem fundo.

Queria ser os teus passos na transparência das cores,

que os meus dedos dizem não haver distância entre nós,

que ficam tocando os dias em ti,

na nossa própria vida

que se debruça e canta o verbo amar.

São as minhas mãos no teu corpo

deslizando, nas letras como beleza na harmonia,

a escrever a razão no coração,

de tanto acreditar sentir

de um olhar por ninguém.

Queria ser o que faça correr

o meu pensamento

no amor eterno,

que gostaria de despir a ousadia,

nos versos que ninguém diz,

nas linhas do teu corpo que percorri

até sempre, a desenhar as emoções

em verdade no encontro que não foi,

o que fosse querer a paixão que saiba compreender

o que daria a minha vida,

pelos traços do meu amor que tens.

Queria ser teu

nas flores que imaginei dar,

nos olhos para lá do infinito

tocando o amor em cada olhar.

Queria ser a nossa casa, que dançar contigo,

no acaso de um gesto que aprofunda

os gestos de seres uma mulher que atravessa os meus passos,

caminhando ao sol, que guardasse o que fosse

o gosto que deveria ser,

a alma que devia ter.

Queria ter-te aqui

ao meu lado,

de tudo ousar ao desejo da minha boca,

como um sol nos braços que se estendem para ti,

por tão pouco

que lembra o meu olhar em ti,

ao vento de quem disse querer muito ter.

Queria ser a noite que se avizinha,

no teu abraço apertado que pedir para continuar,

aonde está o céu no teu rosto,

a tocar as minhas mãos que te encontraram.

Queria ser a vida inteira que amar-te,

a querer amar, por amar

o teu nome que cantar, a dizer que nada existe

para além do amor,

na sede dos beijos que não demos, no meu corpo a procurar-te,

cantando palavras belas ao luar.

Esperei por ti tanto tempo, no meu coração que sente,

naquele dia quente,

e não apareceste….

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 10:48
link do post | favorito
Sábado, 28 de Setembro de 2019

...

O que é teu,

na ausência

que passar o tempo

longe de ti,

será dor, será amor, será tormento

que mais chamar

o que perder de mim,

o valor quanto é, de quem é

pertencer ao tempo que te agrada,

o que possa dizer

o que tiver o meu olhar, por te amar

até ao lugar na beleza,

para ser quem é,

um momento no meu coração,

no encanto que sabe o amor,

o que é vencer a dor,

que desfrutar a sombra que iria dar sem ti,

apreciando o que fica no meu amor,

que estou ausente

na ausência de ti,

na minha dor que seja

não ser teu, o que perder o amor

de não ser teu, na dor que é sofrer

a vida que é ser

o desejo no pensamento, que contigo está

só por ser a dor partilhada pelas minhas lágrimas,

que encontrasse o que seria

o meu corpo que pensar a distância,

no teu retrato

que acorda o coração,

onde dorme a tua imagem em meu olhar.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 22:25
link do post | favorito

O malmequer na verdade

 

Não ter conseguido enfrentar o que fica na despedida,

no coração que veste o amor,

que tenho em mim guardado,

o que espera o amor por mim,

na beleza que trazes em ti,

que contemplar o tempo,

enquanto espelho dos meus dias,

que esperam o que tenhas contigo,

que seja o meu olhar,

na tua forma que traçar o prazer,

a espreitar o sol

para te ver a ti,

no coração exposto à imagem,

o que tem por amar,

que se esqueceu de preencher,

por ser vencido e esquecido,

na despedida,

que foi apagada do olhar do sol,

a abrir as pétalas ao malmequer,

a quem luta por amor,

no inesperado que desconhece

o que faz à janela,

o meu coração.

Vai começar a chover!

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 11:58
link do post | favorito

O que sabes do tempo?

 

O que gostava de ser

o que seduz o nada,

que não fosse preencher

o tempo que desapareceu,

no perfume que preserva o lugar,

o frio congela o que deve estar

onde o olhar se demora,

no tempo que não para

o que desfear um belo rosto, que foi

estar à espera,

que não é de ninguém,

fez o que liga mais tarde, o que tivesse desaparecido,

que não acredita que esteja a chamar a atenção,

no sentido que vai aparecer

ao que prefira chamar o que se renova,

na surpresa da desilusão, que tem razão

porque é o que usa a sombra, que aconteceu o que diga não partilhar,

o anzol da natureza que é

encontrar a idade que tem,

no tempo que vem contigo próprio,

quando não volta mais tarde,

ao que te está a enganar,

na hora de dar a sua beleza

porque gasta só contigo,

o que não se vai embora, a tentar mais um dia.

O tempo está vivo,

na certeza que não encontra,

o olhar que segue e procura,

o tempo que afasta o dia, por viver nessa dimensão,

ao que devemos fazer, como força sentindo o ser,

deixar de seguir o tempo,

ao tempo que temos de esperar, porque se vira contra nós

nos momentos fulcrais,

que nos diz como é ser

o tempo que a vida dá,

do que é o agora, ao que possa dar a vida.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 09:14
link do post | favorito
Sexta-feira, 27 de Setembro de 2019

Enquanto há luar

 

A nossa vida que encontra

o beijo que perturba o nome,

no talvez tecendo o encontro,

num sonho que espera um segundo, a tocar o sonho do primeiro dia

em que te vi,

na flor que sente o querer,

que é o amor que está tecendo

o que procuramos como ninguém,

que não sabemos compreender

o encontro na mudança de ser sobre mim,

a escolha que tira uma foto de ti

de olhos no canto da minha alma,

que correrá como o vento

ao beijo que procurei num sonho.

Apaga a luz,

enquanto há luar.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 10:29
link do post | favorito
Quinta-feira, 26 de Setembro de 2019

Querer libertar a vontade de sentir

 

O que percorre a dança, na aventura que vive o sorriso,

é um fogo para ser

o que responde à vida ao sentir,

no beijo longo que não te dei,

que fazer o que tem a razão,

no desejo que chegou?

Olhando os passos que se aproximam

ao tempo que diz estar,

a certeza no caminho,

que é querer libertar a vontade,

ao que julga o querer,

que unir as vidas,

na corrente que começou no olhar,

olhos que tocam

o que consigam ver,

que é saber gostar de alguém,

ao que voltará a ser amar.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 22:35
link do post | favorito
Terça-feira, 24 de Setembro de 2019

Consegues sentir o amor?

 

A forma que é a palavra,

que não diga uma palavra,

que assume o poema que acaba sempre em dor,

precisa de ser pintada, porque

é uma palavra no mas…que sonhei,

que acreditava que as palavras não são emoções,

mas teriam gostado

das emoções que escrevem a vida,

que é apenas a dor no desamor,

na cor que vá misturar

o que estava à espera do sim, na ilusão que somos ao luar.

 

Descrever o amor

que implica que mudamos,

que espera o amanhã

que não conseguimos pronunciar uma única palavra,

no encontro que não aconteceu,

é melhor ter

o que parece que está,

no nada que é ter,

que foi atender a chamada,

atrás de ti, sem me veres,

como se fosse a ideia que imagina pintar, que é o nome que não disseste,

que tocar em vez de falar,

prefere imaginar o que quiseres, o que deixar querer,

que eu também sim.

 

O que não queiras

até os lábios se tocarem,

não percebe porque é amor, que não diz o teu nome,

que podemos fazer a primavera,

no momento como vertigem

que tivemos, o que não aconteceu,

mos teus olhos que vão dizer querer,

o que ainda está a querer entrar no poema,

quando quiseres, na ilusão a descansar,

como mensagem sob o vento que sabe a noite que vaguear à tua porta,

em verdade que encerra

o ser sem saber, a perder o controlo, que a poesia seria

o meu corpo no teu corpo,

a pintar o tu que seria o eu, a viver o que ninguém mais teria,

que é o amor

por toda a vida, num dia de perfeição olhando o céu,

o que é ter o amor,

que viver em ti, por toda a eternidade,

um coração ao sol, onde palpitasse o luar,

de tanto esperar.

Consegues sentir o amor?

A pintar....ao luar...

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 15:01
link do post | favorito
Domingo, 22 de Setembro de 2019

As lágrimas que apagam a tristeza

 

São as tuas mãos para dançar,

ao balanço da saudade a proteger,

o brilho de ser o que podemos receber,

por estar no céu tão sozinho,

o que é conhecer

o que leva a tristeza,

no rio das lágrimas que te procuram,

que ainda vivem no desejo

olhando a noite na paixão,

que acreditara que fora o que vivesse,

a olhar algo que não vira,

num caminho que seguir,

o que deixara seguir por esse caminho,

o que não viram,

as lágrimas que continuam a não querer

a representação,

na presença que apaga a tristeza,

que o amor recebera.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 16:43
link do post | favorito
Sábado, 21 de Setembro de 2019

O meu nome é...

O que desenha a vida,

como se o coração batesse a gritar,

na dança que viver na chama,

por ter

as palavras que respiram no azul do céu,

no coração das sílabas,

que serão para sempre

o canto do fogo,

escrevendo o que sabe o espelho

do meu corpo,

que se abre no coração,

pronunciando o tempo,

ao horizonte que é o amor.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 10:34
link do post | favorito
Sexta-feira, 20 de Setembro de 2019

O labirinto do querer

 

O que seja sentir

amar a imagem ao teu lado,

nos mares da contemplação,

quer o vento na canção,

que despe a acção de te beijar,

como se fosse o destino

a erguer o tempo na imensidade,

de trata chuva a cruzar

o que volta indefinido

na estreiteza da aventura

que é a sombra no olhar,

como ondas do mar que não cessam de sentir a repetição

de querer ser a imaginação.

 

António Ramalho

(Direitos de autor reservados)

publicado por antonioramalho às 10:25
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.links

.Visitantes desde Junho de 2010