.posts recentes

. ...

. Aquele olhar

. ...

. ...

. Uma carta de jogar

. O calor da tua mão

. O poente que tivesse

. ...

. A uma palavra de ter

. O que somos porque não am...

. ...

. As lágrimas ardendo

. ...

. Eu quero ver!

. A cruz na sombra

. No cais da saudade

. Viverei para sempre

. ...

. ...

. As flores como conforto

.arquivos

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Dezembro 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Sexta-feira, 24 de Maio de 2019

Na minha imaginação

A chama que vai misturar

os nossos corpos, rasga o mar que é sentir,

quanto for,

o teu amor,

a acompanhar o meu corpo, quanto queria eu,

na sinfonia da medida,

por pertencer à emoção,

nos nossos beijos,

que faz de nós o prazer,

a atravessar

agarrando o quebrar que somos,

nos nossos olhares,

que fizeres de mim a audácia por toda a vida desmedida,

como sonhar a emoção que fosse chamar

por ti, na ternura que sentir a luz que ressurge como uma lágrima

ao anoitecer, gritando à lua o que chegasse ao eco na linha do horizonte, como uma linha que ser, cantar à janela do meu coração

o meu amor por ti,

no tempo que adormece nos teus braços,

a viajar além dos traços da imaginação

à porta do meu olhar,

para trazer a poesia para ti,

a oferecer-te uma flor imaginária,

de várias cores

que leva o mar eterno

no amar profundo,

na história que venha dizer

o desvario dos sonhos,

passando a terra no lugar como é

o dia perfeito,

porque o meu coração vive na tua morada.

Eu quero beijar-te, nos meus braços,

e despir de mim o amor

que possa vestir em ti,

 o que é o querer

 cantar o fogo imenso da minha imaginação.

publicado por antonioramalho às 19:52
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.links

.Visitantes desde Junho de 2010