.posts recentes

. ...

. Onde podemos moldar a açã...

. Era esperado

. O beijo do amor

. O olhar fora da tela

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. O que traduz o amor

. ...

. ...

. Na direção da luz

. Carta aberta a Deus

. ...

. ...

. ...

. O caminho que estamos a s...

.arquivos

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Dezembro 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Sábado, 6 de Abril de 2019

Vestir a vida

Se a vida fosse o que tinha o se calhar, não semeávamos o que acrescentar, de vestir o nosso corpo, porque não chega à extensão do que alimenta a vida, ao não quer ir ao que vai, no amanhã a seguir.

Porque vestimos uns pensamentos e não outros?

O que esperamos resolver o que descobrir, a descrever outro sentido na confiança que pensar em si próprio, fazemos o aqui, nas malas que deixamos à porta.

Porque vestimos a vida que não queremos?

O que adormeceu na espera, que verá o tempo para fazer, será a melhor direção dos nossos pensamentos, que têm de confiar, no Eu que expressamos para controlar os pensamentos, que se tornam preocupações.

A certeza pode entrar no não gosto, que somos a sentir a desarrumação, como está o porquê, nas portas que não nos pertencem e que forçam a esperança, alcançando a vida que parecer o que é a presença do tempo.

Aconteça o que acontecer, nós somos…

O que sabemos como é, veste o conforto no escuro.

Porque vestimos transparências, perante as sombras?

Enquanto aguardamos a fronteira, no ter lugar nas dificuldades, que respondem ao que seguimos, pelo que fizemos, acerca do que será percorrer a compreensão, são os dias que fazem ascender as dúvidas, na viagem por um caminho.

Vestir os problemas que nos disseram onde estamos, de fazer o testemunho, que viu a presença chamada na conquista, renova o nosso ser, na presença que confia nas imperfeições.

O que pareça o bem a cantar, no tempo que começar nos objetivos, enfrenta o que não sabemos, onde pensamos ir buscar o compreender o amor, que refletirá o que é o mesmo, na bondade que alegra o que continua a sintonizar o despertar.

Porque vestimos o que não queremos?

A medida que é possível, nas circunstâncias que são o fruto do rosto que refletimos,

canta sem cessar as atitudes de quem possamos parecer, e não ser o que quer dizer o verdadeiro eu, na realidade, o mais longe possível.

Porque vestimos o que não queremos, só para mostrar aos outros, no parecer, que é a manifestação de não viver?

Desperdiçar a sabedoria, que trata o que não sabemos, na estrada que descreveu o voltar para trás, na direção que não veja o tempo que não demora, onde encontramos a história verdadeira que começou nos pensamentos que cuidam de nós, a desfrutar do termos que pensa o que ficar, a confiar o que se chama o que não tenhamos de voltar.

Vestir o entusiasmo que guarda a presença, que habita no que queremos, pensa em renovar o primeiro dia, no resto das nossas vidas, sobre o fazer ao nosso corpo, na vida que habita ao que possui uma luz.

A cortina do que somos, na razão para pensar o que ajuda os pensamentos, desfruta do que realmente veste a vida, no exaltar o testemunho que entende, o que prometemos ficar atentos, nas chaves que permanecem na videira, de todo o coração, a confiar onde permanecemos, e onde vamos, na força que dá o que vai acontecer.

Ninguém sabe ao certo o que vestir.

Os escudos não podem dar fruto. A nossa força permanece nos ramos, por não ser o medo que esteja nas expetativas, que acontecem a controlar o que podemos parecer.

Não temos o quê?

Só queremos vestir uma roupa....

O momento que seja não aguentarmos, protege o fundamental na diferença que fica no desejo.

A luz não espera no escudo.

publicado por antonioramalho às 10:58
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Agosto 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.links

.Visitantes desde Junho de 2010