.posts recentes

. O labirinto das emoções

. A sombra do que é a luz

. O que pode ter quem é

. O que diga por lágrimas

. O que realmente podemos f...

. LIVRO DE POESIA

. Amor verdadeiro, realidad...

. O que aprendi no teu corp...

. A direção da oportunidade

. Vai viver o teu sonho

. Para sonhar, nos teus bra...

. Querer ser o que sentes p...

. O mar de alguém

. Chamar o vento que não ac...

. O que não quer chegar

. Conhecer o que quer dizer

. Por ti…porque és mulher!

. A Árvore da vida

. Os erros no silêncio

. A atitude de ser o presen...

.arquivos

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Quinta-feira, 31 de Agosto de 2017

O que queremos e o que não queremos

A passagem que, em nós, é preciso acontecer na vida afetiva, deixou perceber o que fornece a coragem, na forma de pensar.

Seguir o que é preciso haver, no que procuramos à nossa volta, está associado ao aspeto sombrio de uma verdade, que pressupõe descobrir, uma sombra perdida, para amar no tempo.

Para tudo o que se eleva no que estamos a ser, vamos precisar de aceitar na essência em si, o medo profundo.

Viver na capacidade, para produzir o que podemos aprender.

E continuar a ser o que vamos ver.

Poder levar outra vez, a outra forma de alcançar o que sentimos, se reconhecermos o que perturba a felicidade.

A travessia da beleza para mudar o que ousamos, não parece conhecer os momentos que adiantam as limitações do que simboliza o tempo por emergir.

Ao encararmos o que temos, não entendemos e disponibilizamos a aceitação do que promoverá o modo de vida.

Na integração do que estamos a notar, são os traços das flores, que diriam ser capaz, em direção ao que sugerimos.

Como se alguém quisesse ser.

O que somos e que nos aconteceu, afasta o que continua a ser, no controlo que pode continuar, na intensidade das nossas expetativas.

Através do confronto vulgar que já sabemos.

O que podíamos fazer, na existência de uma verdadeira porta que percorremos, está em nós o sentido importante, que separa o que queremos do que não queremos.

Nos desafios que serão a condição, a corrente que assinala o reforço do ser, espera a eficácia do tempo que não está bem.

Compreendemos melhor em nós mesmos, o aceitar de uma existência vazia, que não vale a pena fingir, na travessia da realidade sombria.

As nossas motivações, transformam-se em referências interiores, que procuram o que representam e o que acontece na união que partilhamos.

publicado por antonioramalho às 11:47
link do post | favorito
Terça-feira, 29 de Agosto de 2017

O que é único

A importância da mágoa, para longe do que dependesse a vontade,  acrescenta a dor para entender uma mulher profundamente, no sussurro cintilante, do que diz as emoções a acreditar.

O que pode ser cada sonho, que não acaba nos teus braços, diz que seja o que confessa o coração.

A esperança para levar sempre a perfeição, que vai dizer o que adora realmente, que abraça o teu olhar.

O teu braço, que saboreia a minha mão na tua, nas lágrimas que terão de passar pelo que saberá amar realmente.

A coincidência impossível, no destino que pode ser um lugar no tempo, para ficar juntos.

O que fosse a ternura, no teu abraço apertado, contava o tempo que partiu, enquanto chorámos.

Nas tuas saudades, o que confere o coração,saberá a expressão no rosto, que arranca as palavras do coração, no reflexo do amor,  e que pergunta o que é único.

publicado por antonioramalho às 17:27
link do post | favorito
Segunda-feira, 28 de Agosto de 2017

A fronteira das palavras na raiz do coração

As palavras que se espalham no aroma que conduz ao que se encontra, a cada dia, no medo de ficar durante o tempo do silêncio, para permanecer, no controlo quando o silêncio alcança o que buscava.

Sobre nós mesmos, a profundidade no empenho do que vamos fazer, é o propósito firme na tarefa da libertação.

A expressão ideal que seja dirigida ao que procede da magia do caminho.

Na raiz do coração, significa autocontrolo e paz interior.

Afetar o que queremos dizer, em cada zona da solução, guarda o que conquistamos na essência, que se forma e se transforma.

A fronteira das palavras na entrada da harmonia, onde está o propósito, é uma semente de existência na colheita da sabedoria.

Para querer o efeito necessário, na aspiração à verdade, na busca penetrante da sensação, venera o coração de qualquer ser nas lágrimas, que não podem encontrar o tempo incansável.

publicado por antonioramalho às 13:42
link do post | favorito
Quinta-feira, 24 de Agosto de 2017

Perder uma lágrima

O que seja e que ocorra, queria esquecer o que tem e que segue, no desejo irrefletido que deveria ter, na vulnerabilidade, no receio indiscreto que assimila o que acredita na eternidade.

Olhar o que significasse perder uma lágrima.

E entender a sensação que sentia para mostrar a verdade, na alegria do quotidiano, para um coração.

Desviar o olhar, na pausa como forma o caminho pelo corpo que, espontaneamente, percorre a promessa que partilha o seu coração.

A ofegar, nas profundezas da felicidade, é o êxtase que entrega o beijo sob o que começa a possuir, na entrada que tivesse o tempo de acordar.

O que voltaria nos braços que encaram a esperança, no seu rosto, acontece no tempo entre eles.

Que possa acontecer, a arrancar um pensamento de perder ou ganhar.

publicado por antonioramalho às 14:18
link do post | favorito
Terça-feira, 22 de Agosto de 2017

Como uma sombra de ti, percorreu o olhar

Ela percorreu o olhar da beleza, na sombra que flutua no silêncio.

Gostaria de compreender o que voltou a atenção difícil.

O toque que chamou a luz dentro de si, caminhou no encantamento a fazer parte do inevitavel.

Na razão que justifica o que escreveram os seus lábios, sonhar pareceu entrar no necessário.

Sabia tocar violino nas cores do segredo, a viver na sensação que parecia inegável.

Deixou-se encontrar no olhar. trazendo o impossível, na sinfonia da verdade, que ouviu o momento para tentar.

O que poderia pensar num abraço, que soubesse desafiar o que era aquele rosto de mulher, nas palavras que podia desfrutar, conquistando o que soltou no brilho, que perdera a noite, à espera de ser.

O que fossem os dias, que sabia encontrar, como uma sombra.

 

publicado por antonioramalho às 15:36
link do post | favorito
Sábado, 19 de Agosto de 2017

As palavras que vão sobreviver

O que queria a noite que partiu?

Porque não puderam dizer o que lembra o olhar.

Para dizer o que era o amor.

A descobrir o que pronunciou o seu coração, na janela que respira.

O tempo que era o que gostaria de ser para entender, acontece no que sabe continuar.

A distância que fizera o esboço na música que deixa o que queria dizer, chorava o momento que estivesse à porta, no percurso que vem do coração.

As palavras que vão sobreviver, na verdade por saber o propósito que será conhecer o que queremos realmente.

Para encontrar, de nós, o que mantinha a história que esperávamos, esperava na janela que trazia o amor.

A manhã que vier, dirá que nos está a avisar.

Mudar o que acreditamos trazer no esboço para reflexão, contextualizando o que seja querer as palavras que estarão á chuva, no murmúrio da felicidade que parece amar os limites que caminham no meu coração.

O momento na reflexão, para agradecer as palavras que trazem a razão, na expressão do coração para viver.

A intenção que levou o amor nos sonhos, por causa da realidade, acontece no olhar que brilha na noite que tivesse sentido o que pronunciam as emoções, no segredo que adormeceu.

A luz do Sol que nos visitará amanhã, terá o tempo que resultar, no encanto das canções que não terminam no silêncio.

publicado por antonioramalho às 22:47
link do post | favorito

A única porta que atravessou a satisfação

Post nº 700

 

A única porta que atravessou a satisfação.

Encontrar a intenção, a procurar o que podia ficar no olhar.

A realidade no sol a compreender a mulher, assemelhava-se ao destaque que conhecera.

Na objetividade do motivo, tinha a fazer o que queria lembrar, na diligência da imagem que chamara na fonte.

Era a chama que arrastava o momento, nas flores a prometerem um elogio.

Estendeu as mãos através do que parecia admitir.

O que ocupava as janelas a preencher na emoção, era o entendimento que deveria ser em cada palavra, no momento perdido que entrou no espaço, através do que parecia.

Imaginar o que guardava o que era a expressão, mostrando o interesse, na diferença que fez mudar o destino.

Surpreendeu a diferença que fez um sorriso.

Dizer o que se passa em algo que é.

A mulher que aguardava o que foi procurar por ela, na diferença do seu coração, a chegar ao que caminha para algo, nos seus braços e no beijo que aconteceu intensamente.

Eram as palavras que estavam juntas, para descrever o momento que atravessava o olhar.

No seu corpo, a porta que procura por si, poderia brilhar em mim, ao som do meu coração, nos olhos que deixarei, a sentir para ti, no aprofundar da resposta que confia no esboço que tenta descobrir as palavras, a perguntar porquê?

O que estava sob as árvores, no vento que conheceu o que apetecia ao pensamento, pestanejou na dúvida que obstruía o caminho que é.

publicado por antonioramalho às 14:15
link do post | favorito
Sexta-feira, 18 de Agosto de 2017

Poderiam ser saudades

Excerto do livro " PRISIONEIRO DE TI"

 

 

O reflexo onde está a noite, como chegou, passando o momento a conhecer o que gostaria, percebe o tempo no beijo que passa a vontade, na realidade que pensava necessária ao olhar.

Além de mostrar o que são, sentiam o que chamava a moldura na conversa que recordava.

Destaca o que imagina o seu coração.

O objetivo que quisesse apaixonar-se, haveria de caminhar a dizer o que interpretou a magia de a conhecer.

Para a sua vida, alberga realmente o que deveria ter na chama que espreita o diálogo que estava atraente.

Proteger os sentimentos no presente que se debruça nas cortinas do passado e tropeça nas correntes do amor, que responderam à noite que espera.

Quando o ritmo lança o olhar nas emoções que absorvem a chuva que escapa à distância, alivia o acordar na aurora do silêncio.

O momento que parecia ter um espelho a passar, que podiam esquecer.

Através das emoções apressadas, desejaram escolher o encontro demasiado que revelou o que tinham esperado.

O significado que se soltou do propósito que serviu o seu olhar.

Poderiam ser saudades na falta de ação no seu rosto.

O silêncio que tencionava ver o tempo, guardava o que falava o orgulho, no momento que foi buscar o desenrolar do que chamava a questão.

As lágrimas disseram as palavras que começaram a caminhar, na viagem que podemos conhecer, rodeando o que pensamos que está nos olhos a decidir.

publicado por antonioramalho às 11:00
link do post | favorito
Quinta-feira, 17 de Agosto de 2017

Encontrar o sentido no Sol

À espera do que vai ser o que trocou a facilidade.

Na conformidade do sol, pensar o significado do que deixa o que deve permitir.

Anseia por conhecer o que acredita na razão e no gosto que se esquece, na maneira que vai fazer entender o sol, que fica a fazer o que não sabe se está certo.

O segredo para interpretar o que tinha a medida da experiência.

Conseguiu prever o tempo, na sombra que começou a pensar em fazer, no olhar que não queria o que devia ter, no caminho que usava.

Conseguiu transportar-se na razão que expõe o que tinha de haver.

 A nostalgia que seria agradável.

A direção do coração, acompanhou as palavras que aproveitam o gosto de estar, no que conhece o silêncio.

A aventura que ouviu dizer, que estava quase, entra onde deixa enganar, o itinerário na procura.

A chama como resposta, ao desafio excitante.

O que dissesse esperar, aprecia o que fica na sensação que confronta o que tinha de dizer que acabará, na diferença que espreita a realidade.

publicado por antonioramalho às 12:06
link do post | favorito

Os contrastes que ficaram sem a diferença

Apagar a luz. que chegou no contraste da vida,  para ver e para levar o que acha a presença no respeito das palavras, que costumam ir para o coração.

O cartão de visitas que continua no conforto que seria onde começa o amor,  não fez o que devia fazer, no entusiasmo a atravessar o orgulho.

A maneira que parece cruzar os braços, no tempo sem reagir, ergue a não vontade do que gosta e que deveria chegar.

O que pode estar, no gosto que atravessa o que sabe que queremos, apercebe-se da luz do sol, a contruir o que podia ter.

O razoável que parecia ter, na maneira que entrou no olhar, é o momento a acreditar na chama que vive na verdade.

Responder à certeza, para manter o óbvio.

O que parecia pensar, compreendeu o que ponderou voltar na palavra que foi a demora, que tenha de esperar, onde faz a resposta que aconteceu na sua vida, no seu tempo, a encontrar o propósito.

publicado por antonioramalho às 11:40
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.links

.Visitantes desde Junho de 2010

.De onde visitam: