.posts recentes

. Dia internacional do beij...

. ...

. ...

. ...

. ...

. Os ratinhos

. O que estamos a procurar?

. Porque és mulher

. ...

. O que traduz o amor

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. Esses olhos

. ...

. ...

. ...

.arquivos

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Dezembro 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Domingo, 18 de Junho de 2017

Um tempo que não se encontra

O que sou e que sei que posso dar, ao escolher o amor, sempre ao teu lado, crescer no sonho do símbolo único, enquanto olho os teus olhos, no caminho que se estende ao nossos corações e volta para o que tenha de ser, no amor porque eu sou.

Através da eternidade, no destino dentro de mim, com o vento a dizer que te amo, no sonho a tornar-se realidade, um papel à procura por mim, o que puder onde estamos, para algo em algum lugar, no teu coração, na luz de um sentimento único, porque eu sou o que quero ser.

O que queria tanto de ti, dizer-te o que está para lá do visível, em ti, em mim, que não posso, para te mostrar o que gostava de dizer, no teu jeito que és, simplesmente, o sol e a lua que somos, sem limites, na distância de um tempo que não se encontra.

Um encontro de amor que se afasta, na distância da solidão.

publicado por antonioramalho às 10:12
link do post | favorito

À medida dos teus lábios

O que ouvi dizer nos teus sonhos, que nada vê na distância das lágrimas, à medida dos teus lábios, o mesmo caminho que estamos esquecidos, se soubéssemos olhar para um erro.

A dor que quer dizer a chuva, na volta de um abraço que podia acontecer.

As noites que chorei por perder o meu tempo sem ti, no que podia fazer ao teu lado, ajudarão as lágrimas que possam ser a metáfora de um bom caminho.

O que pareça a reflexão, que pode ser suficiente, do sol que se tornou a sombra, no abraço sem fim que devia ter, tornou-se diferente a falar de ser, na tua maneira que chama o que devia de ti.

Se fizermos os momentos juntos, aproveitando os ângulos de cada segundo, nos ponteiros do relógio a marcar a mensagem no tempo que seja a resposta, saberemos o que mostra o amor.

 

publicado por antonioramalho às 09:25
link do post | favorito
Quinta-feira, 15 de Junho de 2017

Ficaste com o meu coração

O sol que está no amor sem limites, no silêncio do coração, que precisamos saber, o que não deixei de encontrar num lugar que quero ser teu.

Um olhar no teu suspiro, que é uma vontade de estara no teu afeto, em cada lágrima que brilha nas nossas mãos.

A sensação que despe o teu coração, cativa o meu pensamento em ti, por te amar, onde começa o amanhecer, na vida que se encontra nas cores do arco-íris que querem viver.

O que achamos no caminhar que demonstra não saber se é preciso associar amor ao que pode acontecer, ao princípio que não sabia se estiver na proximidade, cruzou a razão por entra no teu coração, sem saber o que fazer ou perceber.

Na emoção que poderá haver e que está na esperança de um sonho por acabar.

O teu coração consegue ser o que chega até ele, que sentiu a noite a tentar esquecer o verdadeiro amor, onde foi o que preciso saber, na ilusão que perdeu o luar.

Ficaste com o meu coração, que perder os teus beijos, até onde está a intensidade, até onde está o teu amor...

No vento que vai fazer os beijos procurar o teu olhar, outra vez, a atravessar o que leva a minha vida, na forma que estávamos só a tentar.

E que chegam tarde, por te tocar...

 

publicado por antonioramalho às 10:28
link do post | favorito
Domingo, 11 de Junho de 2017

A vida é uma arte no infinito

Fazendo parte do que provoca a função da medida do que queria ser, dá o sentido silenciosamente, na plenitude que conhece a honestidade, porque a vida é uma arte no infinito de muito mais, à procura do que deve ser o sonho.

Conceder até nós a maneira de abraçar, até conseguirmos preencher a totalidade do vácuo perante o gesto que chega de si, nas questões que não se limitam a ser elas mesmos, o bem-estar interior que é.

A construção para além do que necessitamos, na identidade de uma memória descuidada que recria os poemas que diriam talvez o que foi possível e não se trata de ser o caminho naturalmente, nos sonhos do exemplo que impulsiona o seu encanto no irreal.

Desperta para encontrar.

Fazendo a vida acontecer na definição do autocontrolo genuíno, à sua maneira, que tem que ser uma dimensão para o otimismo feliz que resulta do que pode partilhar quotidianamente, no encantamento para pensar a cada momento, na continuidade que tem que ser cultivada na aprendizagem através do invisível.

O infinito do acerto no seu nome.

 

publicado por antonioramalho às 12:03
link do post | favorito

Sobre o amor

Sendo noite o sonho que insiste para ser o prazer da paixão, que trouxe a minha vida na felicidade que chegou e pareça o que sente o coração, na essência que pode mostrar.

Ao teu lado, para uma flor que queria ter, no silêncio de nós, à frente do que quer dizer o que descobriu o coração no teu corpo de desejo, quem dera ser o carinho de uma ave que pudesse estar a encontrar tempo.

O que temos no sentimento que ocorreu no amor que separa o destino, é vida quando não somos nas expetativas que nos iluminam.

O que não sabe para sempre o que poderei desejar na satisfação, tem o meu amor na ausência, que são as saudades de ti no caminho que pode chamar a ocasião de mim, que precisou da felicidade de nós, a viver no teu sorriso, que não quer mais a tua ausência nas respostas.

publicado por antonioramalho às 11:29
link do post | favorito

Escolheu a razão

Na minha voz, que escolhe a razão do adeus no amor, parece entardecer o que tento ser e não consigo evitar.

No enigma de um tempo, por ti, no motivo que liberta a certeza na vida, mudou algo melhor do que continuamos, que dura cada noite, a decidir o que deve renascer na claridade, que acordou em todas as coisas.

O texto no rumo de uma vida que deixaria a luz amanhecer um novo mundo, na vida que dura o beijo do encontro, na pergunta que façam ao desespero, a acompanhar as nuvens, olha com doçura o que esconde a noite.

O que devemos poder dizer ao tudo que passa e não dançou no leito do amor que passaram juntos, trespassa a luz que é o sol, no sentimento que começou a acontecer, nos olhos que assumiram encostar o rosto ao céu de mim.

publicado por antonioramalho às 11:20
link do post | favorito

Não devia demorar

O que dizemos, na viagem que imagina o que conseguimos no sol, em sintonia, ao mesmo tempo, na equação que tem de fazer parte de quem procurar, eternamente o que é, no amor profundo como é a melodia do infinito.

Se pudesse descrever por palavras....

O que mostra cantar no sonho que está continuando em mim, constantemente, a precisar de ouvir o que possa ver, e que pensei que podia ter.

Atravessar o teu coração, a sonhar a tua vida que saberá de mim o que pedi na entrega, pode viver o que não está em nenhum de nós.

Não sabia o que somos apenas, que sentimos chorar em algo que existe no inesperado.

Todo o tempo na paixão e na poesia, que foi o que veio na peça que queria ter o que fizémos, a acarinhar por um beijo.

A carta que perde o que não aguentamos fazer, no desânimo usado que afastou a intensidade do encanto, que quer ser dificíl no amor.

publicado por antonioramalho às 11:09
link do post | favorito
Sexta-feira, 9 de Junho de 2017

O que entregamos por amor

O que aprendemos a cada passo que entregamos por amor, no segredo de um abraço à distância que começamos, é um pensamento por te esperar no que és.

Senti o ser no coração que quer falar o amor, no sentimento que é ter o pensamento de ser.

O meu abraço que expressa estar junto de ti, no coração por amar e no sentimento que permanece no que fazer, um motivo que se cruza na vida, e não sabe que existe em nós.

Por uma flor que vai perceber que a sua vida é a razão de uma cor, no encantamento que se tranforma em dádiva do que é e precisa estar lá, na hora e no fim de um tempo que, simplesmente, age no desejo que devemos entender.

O sorriso que nunca fez a flor no prazer de ser, é uma amizade por ser parte do amor, que estivesse no teu olhar.

O que pareça impossivel de sonhar novamente, para traduzir o teu coração, por te abraçar na entrega que te quer ter encontrado.

Preciso de sentir o que ouvi no amor.

publicado por antonioramalho às 16:58
link do post | favorito
Quinta-feira, 8 de Junho de 2017

Eternamente

Na sensação do teu sorriso, que estará esperando a saudade, que for preciso e posso dizer chorando, o que é o significado do que é o espelho que quer ficar no meu coração.

As sombras para as lágrimas que significam o olhar esquecido em te ver, nas palavras que são frases, são papéis que são o interior de um pouco mais. 

O meu coração não ouvirá a nossa vida por viver, no céu que não cria o que gostamos, para a identidade da verdade que gostares, do que será sempre a minha vida.

Para dizer de mim a noite na luz, na visão do que somos, como um papel na existência, é apenas uma ilusão do que nos separa  do nosso eu, na oportunidade de um desafio que é um desafio em cada um de nós.

O que é dificil olhar em cada palavra, em cada passo, é um lugar que leva às estrelas, onde fomos no amor, a observar o céu.

Eternamente.

publicado por antonioramalho às 19:49
link do post | favorito

Ao te encontrar

O que estava no amor, aconteceu ao te encontrar.

Amar a brilhar o que será meu, em tua mente, que poderia ser o eu nesse momento, para sempre, no desenho de um desafio no teu corpo, para te dizer o que deve ser o sonho, que deve ter o coração, mas que tem mágoa no amor.

O que acreditamos, no sorriso do tempo que não tenho para esperar, no tempo que passou nos nossos corações, chegou ao sonho sem fim.

O que pode ser distante por ficar, passou para não estar, nas palavras que só sabem o que estará onde não está.

Nos círculos do silêncio, que eram fáceis na verdade, as palavras mostraram o sol que temos, ao encararmos a certeza.

O que eu sou, na razão para ser o que entende a chuva que não existirá onde estiver a saudade, que se transformou no que haverá no amor.

 

 

 

publicado por antonioramalho às 19:16
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links