.posts recentes

. Só tu e eu

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. O que distingue o tempo q...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. ...

. O sentido para a vida

. O amor é vida

. DIA DA MÃE

.arquivos

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Dezembro 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Terça-feira, 4 de Abril de 2017

O meu coração no teu

A distância entre nós, que lembra o que somos, recorda o sentimento, porque é outro dia, para além do que pertencemos.

Para conhecer o que mostra, porque nós vivemos no entendimento, que é profundo no amor, estamos juntos na minha busca.

A vida que passa no segredo do sentido para conhecer, mantém o que se tornou o seu coração, no caminho que encoraja e se torna o amanhecer, nas chamas de um tempo que é a mulher que pensa o que é, no amor que forma o que promete a fé.

Derrubar as barreiras de cada dia, para estar nos teus braços, para sempre.

O sentido do amor, que dá cor ao desenho de ti, no teu nome que encontrou o meu, na esperança e nos sonhos, que podem significar o que nos tornámos na intimidade de nós, no silêncio que passou no meu coração.

Quero-te da mesma maneira que enfrentei o ideal de quem ama para sempre, na resposta de sentir o meu coração no teu.

publicado por antonioramalho às 19:08
link do post | favorito

As lágrimas que se escapam

O amanhecer nos teus olhos, que sabe aprender na luz do que somos, não pode tirar a alegria na palavra amor.

De mim, o tempo que pensa em nós, tão livres que éramos, será para voltar a ter o que eu quero.

Acreditar no teu coração, no sentido da vida de alguém ideal, que poderá dizer por ninguém, que não está o que significa para mim. No envolvimento de um caminho de nós, que sabemos provocar, na dança de um sonho íntimo, à medida do teu coração, no olhar que procuramos ter.

Há tanto tempo que a certeza aconteceu, onde parece estar a realidade dos nossos desejos.

O meu coração que voa em ti, no que sentimos, conquista os momentos na esperança de ver e perceber o que nos move, na atenção e na razão da verdade, que esconde as lágrimas do conhecimento, de quem o sonho é em ti.

O sorriso que se tornou o teu caminho, na tua falta, que possa ser o que define o amor.

O que verás algum dia, são as lágrimas das estrelas que tentam parar o meu coração, à nossa vida, que não esquecemos.

O nosso amor no presente, que oferece quanto tem a eternidade em cada sentimento, tocará o que não quer ver partir.

Na tua vida, podemos ver o pôr-do-sol, no entusiasmo que entende o passado e o futuro e a ti não.

As lágrimas que se escapam do que parece saber o que vemos nas cores do que queremos, para lá de uma química, na atração de uma ligação que cria um mistério entre nós e que escapa à intimidade.

 

publicado por antonioramalho às 16:19
link do post | favorito (1)

A tonalidade da essência

A possibilidade que traz o que aceitamos como fundamental, por dizer o que merece a amizade, sugere uma noite em capítulos.

Começou num olhar o destino possivel de ti, que ama a verdade, no sorriso que deseja o que gosta de ti, no encanto que nunca esquecerá, como aquela parte de nós que deixa cair uma lágrima eque pergunta

- Porquê?

Ao acordar na mensagem de nunca esquece o amor, gostaria de ser a aparência do que não sou, no significado do que sou, como a certeza de seguir, que passa e volta, o que tornará o caminho, que se torna o que existe, para lá do visível.

As marcas da saudade esbatem-se na tonalidade do que se perdeu, na essência que toca, mas não eleva as palavras, no gesto que desperta o sol imenso, em algum tempo.

O passar do tempo, deixará uma dor infinda, que se torna a realidade, nas histórias por contar, na verdade que preenche o quotidiano das palavras, em algo que constroi a fonte da ilusão.

Para lá do seu corpo, aproximar-me do que brilha no silêncio de uma confiança que seria sonhar.

 

publicado por antonioramalho às 13:37
link do post | favorito
Domingo, 2 de Abril de 2017

O nosso raio de Sol

d3.jpg

A noite solitária que se desculpa no que poderia dizer o amor, está vazia no que não sabemos, no teu sorriso e no teu rosto a dizer, o que o teu olhar acontece, que não disse nada.

Aproximar a lembrança do que procuramos em nós, na verdade que conhece o sentimento de te querer na minha vida.

As palavras que deveriam ser um sinal, acreditam no que possa fazer, por uma razão, o tempo de ir que tenha deixado saber isso.

O amor descobriu o que trouxeste na emoção, num abraço de uma estrela que não tem tempo, no desejo que queria o que não sabe.

Por algum motivo, não há dia, no tempo que parece que passa, esperando por ti, no sentido de uma mulher que tem uma noite para dizer, nas saudades de sentir.

O beijo da mudança espera a a pressão do que é.

A negação que solta os pensamentos como são, na ilusão que és, pensa para explicar o que era interessante nos teus lábios.

 

 

publicado por antonioramalho às 22:28
link do post | favorito
Sábado, 1 de Abril de 2017

Por escrito, o medo poderia ser a luz

d1.jpg

O que deveria ter na erupção do que queria, sente em ti o que tentava, quando esperei o que dançava na vida que dá a prova.

Por escrito, a noite escura soltou a solidão, que fala comigo todos os dias.

O medo na verdade porque estamos aqui, percebeu ao perto no coração para viver o tempo, que deixa as lágrimas no meu olhar.

O que poderia ser nosso, onde existe uma vida por viver, não podemos ver os teus lábios com um sorriso, na noite que abre a porta ao que gostamos.

As luzes, de nós dois, pareceram respirar no frio de um passeio no jardim, que vai buscar o que fosse lembrar.

A carta onde estou, foi o que pensei na chave parecida com a tua, na entrega que encontrará em mim algo que existe, que não seria dificil de encontrar.

 

publicado por antonioramalho às 22:35
link do post | favorito

A tristeza que beija a verdade.

Tão próximos de esquecer a escolha, aproximámos o que vê o olhar, na fantasia das chamas ao meu lado, para o nada que dança e mostra a distância a que nós estamos.

Estamos sentindo o sonho que poderíamos ser na ousadia do que fazemos certo.

As lições que fazem sentir o que perdemos, nas palavras do coração, esforçam-se por contar o brilho das estrelas nos detalhes do desejo.

As dificuldades que descobrem o amor, no tempo de ir, no teu olhar, apaga a luz que chamamos a entrega de ti, na semente a nascer que importa na escuridão.

São os sonhos que beijaram na tristeza que esconde a verdade.

A noite que caiu na certeza do demais, esqueceu-se do que fomos e fizémos, tocando como queria ver, a luz que era antes para ti.

 

publicado por antonioramalho às 15:21
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
15
16
17
22
25
26
27
28
29
30
31

.links

.Visitantes desde Junho de 2010