.posts recentes

. O labirinto das emoções

. A sombra do que é a luz

. O que pode ter quem é

. O que diga por lágrimas

. O que realmente podemos f...

. LIVRO DE POESIA

. Amor verdadeiro, realidad...

. O que aprendi no teu corp...

. A direção da oportunidade

. Vai viver o teu sonho

. Para sonhar, nos teus bra...

. Querer ser o que sentes p...

. O mar de alguém

. Chamar o vento que não ac...

. O que não quer chegar

. Conhecer o que quer dizer

. Por ti…porque és mulher!

. A Árvore da vida

. Os erros no silêncio

. A atitude de ser o presen...

.arquivos

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Segunda-feira, 30 de Janeiro de 2017

O vento que passaria na noite das saudades

 

Excerto do livro " Despertar"

 

A forma de viver o que entende a profundidade do que estamos dizendo que seja, pensou sozinho na canção que podia ver chover o que faça mudar de ideias, ao vento que passaria na noite das saudades.

A chave que tinha sido o que compreendemos no coração que pode surgir, que esteve porque foi amor, para contar a vida que descobri, quando a verdade de outra forma, na beleza de alguém próximo, estava acordada na manhã que depende do que queremos, no erro que quer o que pede o amor.

Estendendo o que pode ser a realidade, no fluir que demonstra a profundidade envolvida no despertar que disse o que pode ver a multitude das sombras que pertencem ao que aconteceu.

O que sabe conhecer o que esperamos, para alcançar o que for preciso na sua vida, sem palavras do fundo do coração.

Buscar o interior que pode dar o que parece bem, na conta atrás do que foi ver o envolvimento que achámos como pode dar o que já fomos, no apoio que significa o que não diria, sem ser o que está no amor que pergunta o que damos.

publicado por antonioramalho às 16:56
link do post | favorito
Domingo, 29 de Janeiro de 2017

O limite entre o céu e a terra

No significado que somos, o beijo que gosta do horizonte.

O que costumamos semear na maneira que seremos o que torna os limtes da margem do outro lado que não pode falar, que continua distante no caminho a chegar, ao vento que percorre as cores, no limite da silhueta da mulher que lhe corresponde.

A certeza confortavel que se torna o sentido da continuação, começou no seu sonho, para sentir o que se torna o que possa ser, no passo que foi viver o que se tornou um brilho, que vimos adormecer na expressão que parece o que perguntou por ti.

O que somos agora, julga o que parece ser, na compreensão da vida que se passa.

A construção da mensagem a ser, o que devia ser o que encontrei ao redor de mim, envolve o olhar que encontrei nas palavras por estar só.

Desfrutar do que nos muda para sempre, na razão em nós, através do que parecia o seu coração, vive no que podemos ter.

O que seja que precisamos, nos limites entre o céu e a terra, são as oportunidades que tereremos, no desejo que é a minha vida.

publicado por antonioramalho às 18:52
link do post | favorito
Quinta-feira, 26 de Janeiro de 2017

A resposta ao teu olhar

post nº 500

 

A importância de chegar, na noite que revela o sorriso, nos passos da atenção tentando dormir, agita o que podemos fazer em frente. Um elogio talvez, a percorrer o que transporta a pergunta do que mostrava e do que viveria, na sombra de um olhar, que se eleva na fogueira que espreita o medo.

Podemos manter a oportunidade na interpretação que se inclina no que deve estar o aceno da mensagem. Na chegada do seu nome, saberemos coroar o brilho das nuvens que voou no horizonte do teu caminho. 

Os meus olhos não encantam os teus, na fonte que se apaixona para ficar nos lábios da verdade, sentados vagamente na forma e na lição de algum significado. O que permaneceu na chegada, não foi a verdade a nascer, mas a voz oculta ao ritmo do coração.

O amor teu que deixou de ser, apertou as ideias na luz para ser eterno, batendo incessantemente à tua porta, que sabia ler as saudades.

Porque se escondia o que dissémos?

O tempo, conhecia de ti o que deixou no céu, para olhar de mim, a procura da ausência de nós.

Formaram-se cinzas na resposta que voltou ao inverno que transporta o que apontavam as palavras, em direção ao que levou cada dia.

Foram olhares, foram lágrimas.....aquelas palavras percorriam a chama até mim, no que poderia ser apenas o fumo do que se encostou ao mar, que pode ver o salpicar através do que quer conhecer.

Foram lágrimas, foram chamas... no resultado que iremos receber de nós próprios.

Foi um papel a querer mudar no símbolo do teu corpo.

Foram fronteiras no abraço que descobre o mistério.

Outras palavras dissolveram a luz, que se torna direção onde chegar e no que buscamos.

Foram lágrimas, foram ventos...o que sobrou do sentido que se torna estrela.

 

publicado por antonioramalho às 13:07
link do post | favorito
Domingo, 22 de Janeiro de 2017

Redecorar o nome...

A tarefa que não acabou nas espinhas que ignorou a luz, atende os acontecimentos na sintonia que esteja, na maneira provável de exaltar o que faz o coração, que deixa o que permanece no amor e que se esconde ao que vai pensar sofrer.

Aprender do coração que fala no silêncio, que constrói o que permite esquecer um tempo que conhece o que obtém e cuida da ternura que confunde o olhar.

Para semear o amor no recado que espera aprender o que olha para mim, que apenas se converte na vida real que passa por nós, que ninguém pensa e quer saber em algum tempo, que interrompe o que encontra no bem-estar, da vontade que permanece na grandeza que constitui o que consideramos procurar no que estávamos a fazer na ilusão.

publicado por antonioramalho às 19:36
link do post | favorito

Conheço a cor dos seus olhos

Querer o que encontra em algum tempo, que deixa a essência, no fundamento como dizia, na moral que sente o que não foi, na conveniência que começa e parece mentira, no que pode significar o que diz a diferença e não se lembra.

A mente para dissimular o coração que quer ocupar o seu lugar. O que não é essencial.

- É tudo tão complicado.

- Mudar a tua maneira de ser.

- O que sabes tu do amor?

- Vai-se evaporar, como um sonho.

- Parece-me tudo demasiado.

Os motivos que constroem o que deve haver no que procuramos oferecer, recusam-se a falar.

O esforço que simplesmente procura as palavras escritas na luz, parecem inquietantes.

- Nem sempre.

- Pergunto-me o que pensaria?

Conheço a cor dos seus olhos, no sorriso que espero.

Espero ser melhor.

publicado por antonioramalho às 19:23
link do post | favorito

O que deve querer dizer.

O que pode parecer um olhar para acontecer, no padrão único a despedir-se do que só conheceu no inimaginável, abre o seu revestimento protetor, num novo aspeto vulneravel, fazendo o suficiente para amar, no caminho que o torna a sua reta final, em breve.

Por entre o que é difícil, depende da fonte que está a enfraquecer e se insuportável na razão do desafio, na distância que percorremos no importante, e que terá de voar ao sol que brilha mais no que acontece no espírito, na resistência que tem a tarefa que chama.

Aproximar-se da berma, no salto que desafia as saliências que somos, na reunião que está a chegar, pela noite de um longo caminho a percorrer, no que pareça.

Processar a ideia no que isso significa.

publicado por antonioramalho às 10:34
link do post | favorito

O papel que chama a ocasião

O tempo que se apressa em não querer, com maior intensidade, perante a paisagem que é a vida, a que pertencemos, esconde o laço no olhar que procura atenção.

A adversidade no coração de uma fogueira, na estação intensa que oferece o que está na determinação em acreditar, esconde a profundeza do que esperava.

A sua presença deixou a sombra atravessar o que ficou no olhar, sem ter o instante a esconder-se do que era, à procura de uma lembrançam, que estava no seu limite, onde conheceu a razão. no sol que nasce a procurar o que parece e devia ser o refúgio do coração.

A razão olhava o gelo que guardava a contemplação.

Um dia, haverá uma margem de beleza para além do que vemos, a mostrar o que queremos e escolhemos ser. A pergunta à espera do que parece ser o que temos, é perfeita na compensação do aspeto interior que guardou a viagem que queremos ver.

O sol intenso do verão dificulta o que poderemos enfrentar em profundidade, no que é difícil passar, no papel que chama a minha vida.

Há sempre uma viagem arriscada para cá da felicidade.

 

publicado por antonioramalho às 09:58
link do post | favorito
Quarta-feira, 18 de Janeiro de 2017

O silêncio do sol no coração

O que disseram as palavras que não foram perceptíveis no olhar, pensaram a esperança, no murmúrio do tempo que viveu no enigma do limite dos teus braços.

Precisar de ser, ao redor do portão de sempre, que parecia o que ergueu a escolha que demorou, na intenção do silêncio que espera e deverá permanecer.

A mudança que escuta o que desejamos nas palavras, perto do olhar, no contorno do sorriso a espreitar o que trouxe a razão. aproxima-se da resposta do que somos na diferença.

As lágrimas que abriram o sorriso para nós, no nome que indica a distância que sentisse o que significa para mim, no silêncio do sol, que parece o que se passa no coração.

A forma do amor, que não esquece o teu rosto, no olhar que lembra o que oferece o caminho do meu coração, disse ao vento o que contemplam aquelas palavras onde brilha o sol.

 

publicado por antonioramalho às 21:55
link do post | favorito
Terça-feira, 17 de Janeiro de 2017

Escutar o teu nome no bater do coração

Acenar ao brilho do sol, nas perguntas que entregam o nome que não esquece o rosto daquela mulher, numa voz que indica o relevo na distância que estava junto, a um passo do que irá pensar na vontade que mais ninguém possa.

Assim que nos conhecemos, houve sempre a pressão para lhe dizer amor, no cenário e nas prioridades em si, que talvez saibam o que não disseste.

Escutar o coração que quisesse dizer o que sentia, ao caminhar nos seus lábios, a ver a certeza de um milagre, que sentisse a imaginação.

As lágrimas que me deste, agitaram o que não gosto num sorriso, que abriu o que trouxe a vida para nós. no caminho que significa reconhecer o que somos, na diferença que grita pela coragem.

O símbolo do erro que se esforça onde não estamos, aproxima-se do que demorou a responder onde tentamos o que não queremos ser.

Considerar os sons da noite que nos conduzem, a crescer nas folhas entrelaçadas daquelas palavras que apareceram na chama do tempo.

Posso pendurar isso.

 

publicado por antonioramalho às 22:39
link do post | favorito
Segunda-feira, 16 de Janeiro de 2017

A janela que repete as emoções

O que não entendemos na distância, vive na solidão, nos dias a passar, separando o amor de nós mesmos.

Nos actos que promovem os ãngulos das lágrimas sinceras, imaginamosm as alegrias, essencialmente no que cruza a existência.

A história abre as janelas à metafora de ficar a ver passar o tempo, que sabe pensar e que simboliza o que podia ser. A chama que sugere o que é. O fluxo de vida que queremos por nós. Há uma fonte a despertar o desejo, na convição de encontrar a janela.

Aproximar os momentos a sós, no azul que desconhece os limites. Entre nós, superamos a virtualidade do sentir, nas suas palavras e nos gestos que atingem a sensibilidade, na sua realidade a fazer.

A janela repete as emoções, vezes sem conta, na definição do que queremos e não temos.

publicado por antonioramalho às 11:17
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.links