.posts recentes

. O labirinto das emoções

. A sombra do que é a luz

. O que pode ter quem é

. O que diga por lágrimas

. O que realmente podemos f...

. LIVRO DE POESIA

. Amor verdadeiro, realidad...

. O que aprendi no teu corp...

. A direção da oportunidade

. Vai viver o teu sonho

. Para sonhar, nos teus bra...

. Querer ser o que sentes p...

. O mar de alguém

. Chamar o vento que não ac...

. O que não quer chegar

. Conhecer o que quer dizer

. Por ti…porque és mulher!

. A Árvore da vida

. Os erros no silêncio

. A atitude de ser o presen...

.arquivos

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Segunda-feira, 28 de Novembro de 2016

O amor que enche a realidade

O amor que enche a realidade, no risco de acontecer o que transforma o caminho, desabrocha no caminho estreito que percorremos, na maneira de encontrar o coração no entendimento.

O que sabemos realmente e se repete na culpa, que impede o comportamento, realiza o que seríamos e perpassa a orientação a partir do que somos.

A nossa realidade, na necessidade e na humildade essencial que caracteriza o exemplo que supera as fragilidades da distância que devemos percorrer no tempo.

O sentido que não sabemos nas emoções que podem abrir a escuridão, no diálogo da tristeza que incessantemente quer a verdade, na forma que possui a lembrança e no anseio da beleza, no que significa.

publicado por antonioramalho às 08:38
link do post | favorito
Segunda-feira, 21 de Novembro de 2016

As janelas dão para o que não possuímos

Onde foi o que nunca teriamos, que não sei que me enquadro e tentei gostar, dentro da alegria que partilha o que temos de sentir, que nunca tem tempo, onde está, na vivência emocionante de si mesmo, na sombra de estar a pensar para atingir outro caminho que se reconhece, onde encontramos as emoções, nos desejos ocupados com quem sentimos o que pertence, no vazio que não precisa de se esquecer, dessa maneira que consegue a realidade, possuir o supérfluo que não deve preocupar e não encontramos, só por si, na satisfação de não ficar longe, para os outros.

Partilhar o que encontramos, no que conseguimos contar onde houve alguém que soubesse que as janelas dão para o que não possuímos e não inspira o que cresce e marca passo, quando todos precisamos do tempo, no interesse que é ter muito tempo, que começou onde esteve antes, em quem tenha o que tudo cresce.

publicado por antonioramalho às 13:25
link do post | favorito

Abraçar o Sol que perdemos....

O que depende das possibilidades que damos ao momento, desfruta do tempo que separa a preocupação e das palavras que podemos dar.

O caminho que pode ter o refrão que sejamos, a enfrentar o que é preciso ser, na semente que é dificil, enche o vazio na vivência que será o que somos.

A emoção nas palavras, abraça o Sol que perdemos, no que parece o que se mantém.

Fluir o amor pode perder as lágrimas que dependem da memória. A essência equivoca a forma que busca a harmonia, na ação que supera o coração.

O tempo que olhou o que permanece e deseja ser, entende o que proporciona a nossa atenção, na maneira de interpretar a vontade, que busca o sentido.

publicado por antonioramalho às 12:18
link do post | favorito
Quinta-feira, 17 de Novembro de 2016

Eternamente....

Nas suas intenções, desesperava à frente do simplesmente....

Até se encontrarem novamente, saiu do seu coração, um olhar perdido.

O riso à procura do sorriso, respondeu chamando o fulgor do momento, que saltou rapidamente, à sua volta, esquecendo o que aguardava o seu desejo.

Ignorar o que sobressai no medo, para assumir a memória do despertar e desejar tanto preencher o vazio. 

O que encontramos na oportunidade que se perde.....

É noite dentro e os sonhos que mudariam a realidade, teimam em não chegar, na porta do silêncio que não se abre e no coração sombrio, que escurece  a madrugada

publicado por antonioramalho às 09:43
link do post | favorito

Perceber o que sente um olhar

Enquanto os pensamentos de desviam. colados ao sofrimento que lembrou a importância...

O que apeteceu no conhecimento, naquele lugar, a implorar um sorriso, ainda que breve, no que aprende o imprevisto, na distância dos meus sonhos.

É simplesmente o tempo no meu corpo, a prender o que define e o que consideramos e segue a identidade.

A gratidão na diferença da decisão, no que explica cada passo, nas palavras como parte da vida, no caminho das ideias e na necessidade de suceder a algo que corresponde ao que somos, no reencontro de nós mesmos.

Todo o tempo que somos, não pode dar o que não se obtém, na forma contrária às dificuldades frente aos demais.

Os passos seguintes do desejo evoluem no que nos falta nas nossas vidas. É o vínculo de cada lição, na sombra da intenção. É a ação que não termina. É simplesmente a espera do que não vivemos.

Queremos o impossível na tarde que nos separa e no ego por dizer.

Queremos atravessar as barreiras que encontramos no interesse.

Queremos recordar o coração no que dizemos.

A imaginação espera, o que nos faz sofrer, no apego que perdemos no coração abundante.

Optar era o motivo que perdemos à porta da expressão que encontrava a chave.

A madrugada que fizemos recebeu o coração e disse o que desejava.

 

publicado por antonioramalho às 08:59
link do post | favorito (1)
Domingo, 13 de Novembro de 2016

As nuvens precisam de sonhos....

As nuvens precisam de sonhos que cozinhem os problemas que nos visitam a nós mesmos, no que realmente imaginam para cada explicação, que surpreendem a consciência que desejavam que fosse o que esperamos estar, a ser admirados e não fazer a ligação que deveria estar a mostrar o que é verdade, para passar a honestidade, a comportar-se no que possa ser o sorriso que vai sair, para dissipar alguma coisa, que se preocupa na certeza que se orgulha da sintonia que tenta fingir o que trouxe, em potencial.

O que faziam nos seus gostos, que afrontaram o que acaba de se tornar, enquanto a noite não acredita no que precisa e queria, que dissera na verdade, a qualquer momento, o que acredita.

O que possa explicar, que não resolve o que lembra, segundo esperava a ligação satisfeita no encontro, no acordo desempenhado, que nunca imaginou, convenceu o que descansava ao seu olhar.

publicado por antonioramalho às 23:11
link do post | favorito

O que abria a porta que podia ter

O que não aceita e abriu a porta que podia ter, na melancolia cativada, que olhou diferente a tentação, que podia ser, na curiosidade do pensamento e na intenção que reconheceu o que deve melhorar, se tivesse o contrário, ao mesmo tempo, que prosseguiu a vantagem de regressar ao que nunca pensava no caminho que sabe a sua identidade.

Acompanhar os detalhes no sinal que desviou a história e atravessou o erro que ficou, na noite, em que era demasiado para dizer, enquanto a fantasia esclarecia o lugar da escuridão espalhada no som da intenção que esperava.

Permanecer por encontrar o olhar nas palavras que deveriam estar esperando a resposta de algum tempo, de quem seria o que voltaria casualmente, na sorte que seguiu a passagem das perguntas, por ter alcançado a colheita que diga o que insistiu e não respondera à coragem que chama o que se esqueceria, nos instantes que importam à distração que confunde o que não estivesse a deixar o que ficara.

publicado por antonioramalho às 18:30
link do post | favorito
Quinta-feira, 10 de Novembro de 2016

O nome que chama o esquecimento

Olhando para um nome que se chamava há pouco um esquecimento, não era nada do que se via, na estrada que começava no que importa.

À luz do luar de uma lágrima, deveria ser a realidade da discussão que houve, olhando o nome que dormia, esperando conseguir ter razão.

Olhar para trás, na estrada de árvores de um Outuno espalhado em todos os ângulos, na realidade de uma foto que deslizava naquela ocasião

O que lhes tinha agradecido, na demasiada alegria que não tinha, queria que chegasse para saber o que soube, num instante a recusar sempre.

Enraizar a apreensão que faz aparecer no adro da recordação dos olhos verdes apaixonados, de afirmação.

Muitas vezes, o pouco que tinha no que nem sequer diria uma palavra, estava a pensar, enquanto esperavam ser e ponderar o silêncio.

Reconhecer indistintamente, em silêncio, o que sente e que lhe resta através dele.

publicado por antonioramalho às 21:51
link do post | favorito

Abandonar a imaginação numa canção triste

Não há palavras que não se esqueçam, ao abandonarmos a imaginação.

Por perto, sem saber, a maneira escassa de fazer viver o romance, no tamanho que quebra o que é escasso. porque albergava a esperança dolorosa.

Queria regressar ao que aconteceu, que possa ser assim, onde tinha feito o que encontrou.

Começara como nos lembramos, dizendo a questão que é preciso acreditar. Aprender antes do amanhecer, através da fição, no exemplo de outro dia melhor, num tempo que queria ser uma vida.

Não há problemas que me pudessem limitar, no que podia escrever.

O indescritivel que nunca reparámos ao envelhecer, acontece no que tinha pertencido às desculpas espontâneas.

As circunstãncias que chegaram sem coração, representam as minhas lágrimas, na vontade de resistir que ninguém mudou.

Despontar o alvorecer nas lágrimas do coração, como um sonho, que se afirma no esquecimento de uma canção triste.

publicado por antonioramalho às 10:14
link do post | favorito
Terça-feira, 8 de Novembro de 2016

As nuvens do olhar em ti

A verdade na natureza que medita e se manifesta nas causas da existência, nos intervalos que se manifestam no que evita o que responde às nuvens que surgem na experiência a aperfeiçoar, ao sair da manhã.

Os problemas que se perderam na verdade que teve o que desapareceu, no oceano do nada, com saber ao que deixa a aparência que é, como fenómeno de algo que descobre a impermanência do que se torna a fonte do azul, nos lábios da paz.

O que és magoa, no que devemos conhecer.

O que não se obtém, na chama que confunde o olhar, no esboço de uma miragem, do espelho que fomos.

É um contexto que vemos e que existe, no que fortalece o caminho da realização.

Olhar o que nos apega, na existência que retirámos, na sua verdade e na maneira que permanece no instante.

São as nuvens no olhar que aparecem na ausência.

O que deve ficar no pensamento que percebemos, no que ocorre e faz pensar nos seus olhos, responde ao nome.

O que surge em si mesmo, poderia ser o que pensamos, no que aparece talvez na experiência que dissolve o que sentimos e que tornará a ansiedade no próprio eu.

publicado por antonioramalho às 18:24
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.links

.Visitantes desde Junho de 2010

.De onde visitam: