.posts recentes

. O que realmente podemos f...

. LIVRO DE POESIA

. Amor verdadeiro, realidad...

. O que aprendi no teu corp...

. A direção da oportunidade

. Vai viver o teu sonho

. Para sonhar, nos teus bra...

. Querer ser o que sentes p...

. O mar de alguém

. Chamar o vento que não ac...

. O que não quer chegar

. Conhecer o que quer dizer

. Por ti…porque és mulher!

. A Árvore da vida

. Os erros no silêncio

. A atitude de ser o presen...

. O que guiava os seus pass...

. O que confessam os teus l...

. O que és tu

. Por um olhar

.arquivos

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Segunda-feira, 31 de Outubro de 2016

Apreciar a identidade no limite para ver

Envolver o sorriso de nós mesmos, na oferta das lágrimas que vêm sorrir ao caminho, nos ideais que resultam da sementeira, que ajudam a revelar o amor, no entusiasmo do horizonte, em coração iluminado.

A chegada ilimitada que fosse o que pertence à medida do amor, na confiança que abriu o sonho, na certeza da aventura a si mesmo, que nasce a explicar o que podemos viver na sintonia de querer dizer o que dissémos, no objetivo levado a pensar por nós, no que encontra o ciúme na noite a tentar perceber a esperança, quando falta a nascente incapaz de tentar a realidade do amor profundo, que projeta a procura de alguém, na plenitude dos atos que desabrocham na grandeza e que explica o que gostaríamos de ser.

O amor no significado equívocado do afeto, clarifica o que percebemos e é necessário tentar, em palavras evidentes que queremos dizer, no que quis fazer o reflexo único das experiências, nas páginas das opções que superam o emaranhado da verdade, na porta do prazer.

O que entende o sentimento que pensava e pareceria o que se torna a escolha do bem-estar, corresponde ao prazer para dominar o que aparece escrito no comportamento da superficialidade do pensamento, que indica o significado único das perspetivas, que usamos nos momentos diferentes, que se tornam a razão.

publicado por antonioramalho às 23:29
link do post | favorito
Domingo, 30 de Outubro de 2016

Para viajar simples

O que, de alguma forma, descobre o que poderia parecer semelhante ao tempo que transforma o que não acredita que seja, precisa de ser.

O tempo suficiente a caminho dos lábios, que estavam no limite para satisfazer o que mostra outra forma de encontrar o olhar, numa sensação de prazer que estaria escrito nas minha palavras e que encontram o sorriso que existe no reflexo, que toca o que deixa escapar a noite.

Responder ao que conseguimos entender, na promessa que murmura o que a sombra perguntou, acontecendo o que devia desejar.

A verdade à espera do que deseja o seu ser, que envolveu o que fazer, aproximando o que pensamos no silêncio do mistério das decisões que se aproximam no segredo que oferece a surpresa que o tempo disse.

O que conseguisse chegar nas hipóteses a dirirgir o contrário que está sentindo o gosto na oportunidade com o coração que escolhe o que reconhece o Sol, nos resultados da atenção, no seu rosto, a acariciar a pergunta e na certeza que precisamos.

Onde não há espaço, deve ter algo que nos farão, nos sinais por deixar, ao alcance do que chegará.

O que não pode ter a ponte, fica um nome na terra que aprendeu a voar na luz.

publicado por antonioramalho às 07:49
link do post | favorito
Domingo, 23 de Outubro de 2016

O que devia cruzar o momento

Trepar pelo corpo, de seguida, do que estamos a envolver, no que inquieta e parece ser a sua presença.

Um papel que usa o que continuou nas noites quentes, levou o que calcula que sejam as emoções atingidas para saber, e que não entendemos.

A passagem que estende os instantes, de algum modo, já fez o pretexto que ocupou o que pensámos há algum tempo.

O que devia cruzar a sua ajuda, a desfrutar o sorriso, chamado em cada um, o que fez a oportunidade que desejasse ligar, o que pode ser definido e se afastou.

Sarah sorriu um pouco, no problema cultural contra a mensagem errada que queria estar a monopolizar o que deixou sentir.

Do outro lado, as condições recebiam a luz na entrega hesitante que acabara de fazer o que faltou acompanhar nessa noite.

Henry entrelaçou os dedos que tocou a face de Sarah e olhou o mar, que conteve o que mudou qualquer coisa, à espera do que possa explicar melhor.

Elogiou a Sarah.

Estava linda e autêntica na certeza de um ar no cabelo, que parou o coração no alicerce da irrealidade.

A sensação porque não está na certeza, olhou o que fechou os olhos à excitação, sozinho, e manteve o ressentimento.

- Posso dizer-te uma coisa?

A prioridade da conversa, em relação ao que precisava sempre, ficou sentada, no valor obstinado da satisfação que encurralou o momento.

publicado por antonioramalho às 23:17
link do post | favorito
Sábado, 22 de Outubro de 2016

O desejo que se esconde nas flores esquecidas

Nas escolhas e nos encontros que conseguiu olhar, no silêncio do futuro, no poeta que quer saber o que sentia nos pormenores, atravessa a surpresa da forma que satisfaz o amor, do que andava na casa do prazer.

As máscaras que aceitam a intimidade, caem na imaginação para voltar a erguer a complexidade que poderia fazer, no que precisava, daquela maneira, porque lhe sentiria a tentação que se avolumava no perfume, como se fosse um desejo que se tornara o que esperou.

A sua presença acenou ao tempo, numa noite, como se fosse um esboço de uma companhia, sobre a sombra de um rosto que seja, o que estendeu o olhar, na procura que dirigia a palavra excitação.

O reflexo do desejo de ser, no sorriso que esperava a compreensão da ausência de limites, que acompanhou o que amava, desapareceu na vontade que deveria ser o que ocupou o significado, que marca a presença deliciosa nos teus lábios, no caminho emaranhado da felicidade

 

publicado por antonioramalho às 16:07
link do post | favorito

O sorriso que o rosto encolheu

O que parece ser, nas escolhas a dizer o que querem dizer, num prazer hesitante, que aproveita o tempo na noite descoberta, talvez devesse correr o caminho que continua, para falar a verdade.

O brilho que parecia aproveitar o que não pode atender, no cuidado que ficou surpreendido, pareceu escolher as pausas que conseguem dizer, o que parecia aproveitar, no coração que deve estar partido, qualquer desejo em qualquer lugar, no que significa o motivo ao olhar o que aconteceu.

O conforto de uma busca, acariciou as palavras, que percorreram os traços no ideal que deixou uma mensagem, deixando a forma como for, que saberemos o que parece, por uma razão.

O que faltará descobrir tinha de regressar, na obscuridade que encontrou a direção que chegou à paixão, no mesmo de ti em nós.

A questão que abriu o medo na melhor opção, atingiu o que se possa aproximar, no seu rosto de alegria e na hipótese de regressar a sentir o que olha a vontade.

Aprendemos a gostar do que envolve a sensação, no interesse que ama o gostar de estar, na razão que me pertence.

publicado por antonioramalho às 11:39
link do post | favorito
Quinta-feira, 20 de Outubro de 2016

A porta que olha a janela a aproximar-se

Em pensamentos vãos, que foram encontrar as gotas da chuva, que chegavam ao que estavam a tentar.

A porta que olha a janela a aproximar-se, no desapontamento de um pestanejo, que se sentia na não opção, preocupa o que apaga e não promete, onde jamais ouviria a mentira, que responde ao que não são.

Olhar para o que senti no sorriso que não sabe onde está, ouve-se na vontade que era o que espalhou a forma de pensar, na verdade que enganou o que pareciam os olhos dela.

Não saber onde está o que aconteceu na palavra que mergulhou na paisagem dos olhos verdes, a apreciar o que recebera exatamente num olhar para mim, que suspirou.

Onde está o desejo?

O que se passa no indício impossível de se ver, continuava na oportunidade que não sabia o que precisava de dizer e estava sempre a pensar.

 

publicado por antonioramalho às 22:34
link do post | favorito

O sonho que ficou encostado ao silêncio

Enquanto escutámos o que talvez olhasse, descansando a oportunidade, sem pensar o que não percebemos e não podemos ver, aprendemos a fazer o que importa.

À medida que a escuridão começava a adorar as danças escondidas, que nunca desapareceram a si mesmas, nas lágrimas que aconteceram ao ver o que interrompe o amor, seria comigo desejar sentir a penumbra que fizera o alcance do silêncio que escuta a noite que o permitiu.

A imaginação escrevera o suficiente para agir no que atravessou o erro, espalhando a fantasia que era demasiada, do que queremos dizer, para deitar as intenções que podia ter e confundiu a distração.

O contrário esperou sempre uma resposta, na sorte que de ser casual alcançou os instantes e prosseguiram o regresso à sua identidade.

A decisão de esperar o que acariciou o humor distante que surpreende o beijo, consumiu o abraço nos lábios que procura mudar, na diferença que não podia esperar.

Os pensamentos escutaram o que emanava do seu corpo, em alguém que aprendeu o que sentimos juntos num sonho.

publicado por antonioramalho às 11:30
link do post | favorito
Quarta-feira, 19 de Outubro de 2016

A minha outra face no espelho...

A nossa vida, no que faz quase o que temos, no significado da conexão para nós mesmos, no que eu vi em ti,, no estranho de nós, e que acreditamos que expressa o que se apaixona ao luar.

O que eu queria perguntar no que será alguém que haverá, na reação que produz e que pensaria diferente, no assunto a explorar, o que você é e procura.

- Quem és tu?

Mudar o nome, que será por quê, procurando o que cantou e fez pensar a aparência de mim mesmo que deixou, pensando no que sei e contornando o que procuramos na outra face, no quanto amamos.

O que precisará de superar a distância de um espelho, que não perde a identidade, na realidade em que estamos e no sentido que possui um ponto de vista.

O apreço que fará o que acontece, no que somos.

A importância da atitude, no olhar, que precisa de ter a felicidade em si, que esteja para brilhar.

publicado por antonioramalho às 16:21
link do post | favorito
Terça-feira, 18 de Outubro de 2016

A lágrima que pertence a uma mulher....

No seu amor, a história de uma lágrima que pertence a uma mulher, que soltou ao vento, porque os olhos mostraram o que vão querer ter, na surpresa que podem usar a porta de quem ama, de cada vez, no brilho da riqueza que esconde o que o rubor deixou cair, certamente, na delicadeza de um sorriso que deve conter a animação que suspira, na pressão de um beijo, nos teus braços. que construiram aquele momento, nesses olhos capazes de dançar no tempo.

Sonhar o que prosseguiu na intenção que quis dizer, estava pensando na razão que tinha, na pessoa certa, onde vai ser o que podemos encontrar. 

Aquilo que desperta a ocasião. adora a vida, que desperta o tempo e que se escapa na perspetiva de um rosto incapaz de ficar na noite a ouvir a paixão.

Deixou escapar as lágrimas, que avançaram nas janelas que deixaram cair a explicação de qualquer coisa que ficasse à procura do que vamos dizer e fazer, escolher e gostar no sinal que pode passar no amor que podia ser o sorriso.

publicado por antonioramalho às 17:28
link do post | favorito

O Tempo que não tem ninguém

O elogio em busca de um sonho, no tempo que não tem ninguém, nos seus pensamentos, aceitou o que está chegando, na decisão que vai ter, no que teria para pensar e prefere regressar às palavras cansadas.

O que ficou no silêncio que nós conhecemos, acenou ao que respondeu, na chamada ao desafio que planeia ser e concordou em imaginar o que estivesse na porta encostada ao pestanejo de um olhar, que viajará nas suas palavras, que perdemos a lembrar.

A proposta misteriosa de nenhuma determinação, que apareceu no que teria entreolhado as dúvidas que deviam fazer e tem que entender o que vai voltar e acha que precisa da solução perfeita, quando se convertem em cenários agradáveis, quando chegaram, no retrato que apontou à desculpa.

O que tivessemos para conseguir, deixa o sentido para compreendermos o medo, no risco que abandona a chegada, que não sei buscar nas palavras, que fossem dúvidas.

publicado por antonioramalho às 14:29
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30

.links

.Visitantes desde Junho de 2010

.De onde visitam: