.posts recentes

. LIVRO DE POESIA

. Amor verdadeiro, realidad...

. O que aprendi no teu corp...

. A direção da oportunidade

. Vai viver o teu sonho

. Para sonhar, nos teus bra...

. Querer ser o que sentes p...

. O mar de alguém

. Chamar o vento que não ac...

. O que não quer chegar

. Conhecer o que quer dizer

. Por ti…porque és mulher!

. A Árvore da vida

. Os erros no silêncio

. A atitude de ser o presen...

. O que guiava os seus pass...

. O que confessam os teus l...

. O que és tu

. Por um olhar

. Viver no sofrimento de me...

.arquivos

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Segunda-feira, 29 de Agosto de 2016

Os pontos de vista................

Os pontos de vista que resultam na tendência do momento que podemos desejar, constituem o exterior que embeleza o exagero da obstinação, que são os obstáculos que preocupam sempre as preferências, na maneira de actuarmos, quando fizemos as marcas do apreço.

O que aconteceu ao certo, para entendermos, não teve motivos para duvidarmos. O sentido comum não aparece na dissociação da afetividade e no abandono da razão. A ligação da mente que permite a liberdade interior, na compreensão da satisfação e no sentido que idealizámos, pode sentir se algo rompe o bem-estar interior.

Chegámos a querer o que era demasiado, no que seria de esperar....

Soubémos o que aconteceu no começo da alegria e no amor, por essa frase simples, que diz o que aconteceu.

As questões da satisfação ficaram presas no que supomos o contrário, que estava apaixonada à indecisão pela alegria de viver.

As maneiras que fingiram pendurar a privação do que desfrutamos, esconde-se no que manifesta o tempo.

Abordar o tempo deixado a existir na transformação, que se manifesta no que podemos encantar, no caminho do coração.

A memória demonstra sempre a simplicidade dos pensamentos, nas circunstâncias que assistem ao controlo das palavras e nos detalhes dos nossos atos.

Por não encontrar nada, o que sente que diríamos, invoca o que não dissémos, no que não estava a querer o que ficava.

 

publicado por antonioramalho às 22:35
link do post | favorito
Segunda-feira, 22 de Agosto de 2016

As lágrimas que choram a tristeza....

Nos olhos meus que se misturam nos teus, na verdade da alegria que sorri, é triste a essência das lágrimas que choram a tristeza.

O amor que trocámos, no que somos um, sem sermos o perfume que consegue e que trocámos no que somos, no caminhar que recobre a brisa.

Na equanimidade horizontal do que queremos dizer e no ciúme que turva o céu da eternidade, contemplamos os olhares apaixonados ao luar.

O que não se aprende nas flores, depois do que acontece, sem explicarmos, no teu sorriso, são os olhos da noite que florescem em ninguém.

Nada perturba um olhar a suspirar.

A atenção que percebemos, gostaria de caminhar na beleza, a acrescentar.

Encontrar a expressão do ser em cada um de nós...

Se soubéssemos ter agradecido..

Soprar o que deixámos de ser e ficámos sem tempo, entrelaçados no regresso que representa a vontade.

O que procuramos, será sempre a vontade do que enviámos, no tempo que é e no que foi, e se busca sempre....

 

publicado por antonioramalho às 22:50
link do post | favorito

A tranquilidade da composição

O que adverte do contrário, quando viram o que queriam, no amor onde estavam, no medo de ter e na ilusão que nos separa.

As formas diferentes existem. Nada ter um do outro.

O que se passa no silêncio, que responde à verdade?

Somente poderíamos perguntar quando demoramos a atingir a humildade do Sol...

No seu esplendor, aconteceu uma semente, que viverá, quando for, de outra forma, o que não esqueceu, no destino que pensavam.

Na beleza do que dizemos, na infinidade dos destinos que sabiam o que queriam, por um instante, mostravam as sombras que passavam, e escutavam o que procurávamos.

A vontade que tem a beleza, na presunção da perda, discorda do que alcança o símbolo do tempo, que liberta a entrega, nos limites que buscam ser a aceitação.

O que vier no amor pelo apego, aprenderá o que nada temos. A esperança busca incessantemente o que não vê.

Pareceram intensas as palavras em evidência no significado profundo, como poderíamos amar, e não ouvimos alguém.

Procurámos mudar o que valoriza a verdade, na tentação que expressa a capacidade de amar.

Os momentos chamaram os desejos, e na diferença, os aspetos não se aproximaram do que explica o coração.

Começámos a definir o que julgámos por explicar e interpretámos a semelhança da razão, que nem sempre pode dar o que podemos fazer, no que se passa verdadeiramente.

A palavra traduz a vida...na persuasão de qualquer que ela seja...

O amor guardou os grãos de areia, no deserto das adversidades.

E aproximámo-nos....

publicado por antonioramalho às 22:02
link do post | favorito
Sábado, 20 de Agosto de 2016

O sentido das lágrimas...

A proximidade que se opõe ao sentido das lágrimas, não aceita o que desejamos de forma incondicional, nem percebe o que perdemos no íntimo que explorámos intensamente.

O sentido das lágrimas esvai-se na consistência do encontro com a vida, por não ser profundo o que nos acontece e por não encontrarmos os rostos a brilhar no silêncio.

Sentimos o que encontrámos na transparência da beleza, mas nunca escutamos o que temos para dizer.

A verdade que é apenas...um ponto de vista. Afinal estava ali, a dizer o que começou em nós e não quisemos aceitar.

A verdade começou na preocupação por não termos e por sermos.....por não pertencermos ao outro eu....de ocuparmos o tempo que nos destinaram.

Não escutámos o coração, não interessava o desejo. A atenção fracassou no que não lhe demos....

Magoámos as situações e as disposições.

Não pudemos ir ao significado das coisas e não tivemos coragem.

Perdemo-nos nas alternativas dissipadas. Os olhares impediram que começássemos o encontro, porque o carinho estava abraçado à angústia.

No encontro com a vida, estava a distinção e a diferença.

Não a vimos!

A possibilidade de mudar não animou o invisível, que procurou incessantemente o visível. Na arrecadação repleta de esforço, o visível não justifica a atitude. A confiança estaria no espaço por fazer e que tivesse.

O homem fez brotar algo, no desencontro do visível e encontrou o Eu que se transformou em tu, que era realmente a verdade, no Eu autêntico. Era mais fácil descartar o invisível.

Será que ainda existe o invisível? Onde?

publicado por antonioramalho às 18:27
link do post | favorito
Quarta-feira, 17 de Agosto de 2016

O visível e o invisível

Tocam-se. Interpenetram-se e vivem sintonizados.

Erguem tendas. Constroem pontes e olham o ar que respiram.

Querem fazer parte um do outro, num relacionamento que pinta as cores do arco-íris.

Uma luz que acende e apaga, como uma história que lemos.

Uma lição de opostos, que afinal não o são.

O que pode olhar e consegue a distância que será, na noite que disse o que iríamos ser, no que podemos cruzar a aurora, quando queremos amanhecer no que vivemos ou não, no íntimo.

O que saberá, que não sabemos, e que não tínhamos tido doutra maneira, no visível que tenha ficado no invisível.

Saber descobrir o que não deixamos e que não pode acontecer.

No que disse, daquela maneira, que estamos à espera. a sério, no silêncio que vinha cá.

Que não esperamos, o que começamos nas perguntas sem resposta e no que trouxemos, ao que vivemos intensamente.

Estava sempre a falar com o coração, tal como escondeu o invisível.

 

 

publicado por antonioramalho às 15:56
link do post | favorito
Sexta-feira, 5 de Agosto de 2016

Amor verdadeiro

O que se acredita atravessar com um olhar, espera o desejo que queremos, no abraço do momento, no que poderia ser capaz, no seu rosto, de amar.

O que espera, com quem poderia ser verdade, o sentimento que fixa, o que surge como amor, na mistura que se percebe, quando um homem ama uma mulher.

Porque fomos a proximidade, conforme as expetativas, na paixão que realmente é.

O que se dilui nos corpos que a vivenciam, naturalmente.

A força do amor, descreveu o que domina o ser, no que vive, como queríamos e no que se tornaram.

Nos pensamentos sentimos despertar a realidade.

Corresponder à realidade das dúvidas, na certeza que surge, no que seguimos e poderemos dizer.

O que também existe, compreendeu simplesmente o que cria e se transforma, no sinal que encontramos e no exemplo que existe.

Saber lidar com o que é a satisfação vulnerável, no que se poderia aproximar, no anseio de acreditarmos e no que precisa ser.

Podemos amar. Podemos sonhar.

E existir na unidade.

E focar preenchidos finalmente no esforço que deseja ser.

A esperança associada encontrou o que vivencia as dificuldades , no que são.

Abordar a paixão no sentido da vida.

E merecer ser o que conseguimos em existir.

A felicidade de um mistério que circunda a linguagem das palavras do amor.

 

publicado por antonioramalho às 10:57
link do post | favorito
Quinta-feira, 4 de Agosto de 2016

Escondidos num sorriso..........

Muitas vezes, perdemo-nos nas palavras, inventamos, divagamos e sorrimos.........

Porque as palavras permitem que criemos novas realidades, sintamos o que não sentimos.... e percecionemos além do que somos....

Escondidos num sorriso, quanta hipocrisia e maldade encapotada, na poeira da vaidade e da malidicência..

Escondidos num sorriso, vivemos na aparência do bem querer e bem fazer, na imagem camuflada e inventada para vencer....

São ideias, atitudes e ações.....

Escondidos num sorriso...criamos ilusões, não aprendemos a amar e não renascemos para  a vida.

Porque o sorriso nem sempre é verdadeiro....

E quem se esconde nele.....

Pode ser obscuro, pode ser simulado, pode esconder o que somos verdadeiramente.

Muitas vezes, queremos sorrir, apenas porque sorrir sabe bem... estabele laços.. e cria raízes.

Ás vezes, no meio da realidade humana agreste em que vivemos, esquecemo-nos de viver.....

Porque somos o que se esconde num sorriso...

Para agradar, para mostrarmos aos outros o que não somos...e porque queremos enganar.

Escondemo-nos no sorriso...porque pensamos que faz bem...porque pensamos que vale tudo....porque nos ensinaram a não olhar o arco-íris...porque sempre pintaram a realidade noutra dimensão.

Esconder....disfarça a importância das coisas...

Porque se escondem, tantas vezes,  as pessoas num sorriso?

publicado por antonioramalho às 08:52
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

.links

.Visitantes desde Junho de 2010

.De onde visitam: