.posts recentes

. O que pode ter quem é

. O que diga por lágrimas

. O que realmente podemos f...

. LIVRO DE POESIA

. Amor verdadeiro, realidad...

. O que aprendi no teu corp...

. A direção da oportunidade

. Vai viver o teu sonho

. Para sonhar, nos teus bra...

. Querer ser o que sentes p...

. O mar de alguém

. Chamar o vento que não ac...

. O que não quer chegar

. Conhecer o que quer dizer

. Por ti…porque és mulher!

. A Árvore da vida

. Os erros no silêncio

. A atitude de ser o presen...

. O que guiava os seus pass...

. O que confessam os teus l...

.arquivos

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Quinta-feira, 26 de Maio de 2016

Tentar viver outra vez.........

E precisam de encontrar...nalguma coisa importante, sózinhos, ou a chorar, para ficar na companhia de um café e algo mais.

Olhar novamente os desenhos que existem nalguma coisa.

Facilmente disse o que levou e que estava a sorrir, onde está a tentar viver no que se aproxima, ao redor de um nome, que usa as letras que não quer oferecer.

A atenção no momento que combina a doçura, nos laços de um tempo e na felicidade de ser, como se fossem encontrar as mensagens que olham para os movimentos do esquecimento.

A magia de pensar, como se fosse não pensar nisso, ao alcance discreto da subtileza de um humor, que quer voltar ao conforto de uma presença suficiente, quando desenhamos o que podemos ver.

De certa maneira, à espera de crescer, de forma casual, adormece indecifravel, nas palavras da noite que vê todos os ângulos no diálogo. Impacientes na maneira certa de dizer o que abraçam assustados, e na vontade persistente de uns beijos apaixonados.

Permanecer num tempo, à medida de uma interpretação, na mulher que, obviamente, adconteceu nos detalhes de uns olhos cintilantes, na outra parte de ninguém.

Acreditaram nos sinais que construiram, alargaram as expressões de harmonia e encheram a felicidade nos momentos que chamariam o que significava acreditar.

Normalmente, descrevemos o querer estar, seja como for, nas mensagens possíveis de uma possibilidade que não quer acordar.

O seu olhar, tinha de se ver, na intensidade que se aproxima da noite que vejo em mim e que desaparece no coração insatisfeito, ao descobrir o que está a usar, para além de um olhar demasiado perdido.

 

publicado por antonioramalho às 09:49
link do post | favorito
Terça-feira, 24 de Maio de 2016

Fragmentos do livro " Aprisionar o amor"

Enquanto espera a esponja na esquina da tristeza, a Sarah permanece na alegria de perceber o que chora qualquer desculpa. Vestida para deixar as escadas prudentes, como se fosse um mosaico de saudades entre si, finge um desapontamento, que marca o que idealizou.

Apetece esperar, como se estivesse evidente um ambiente mais acompanhado, como alguém na tua atenção, ao que saberias ser tu. A oportunidade em redor desperta o que estamos a pensar.

O outro riso colorido, que algumas vezes foi quase diferente, por umas curvas de interesse, estava a começar a mergulhar no nome para acontecer, e que olha para mim.

O sorriso escreveu demasiado nu o que se passou, porque contou demasiadas histórias, que costuma ser.

Para o sol, que já viu a sorte que nunca esqueceu, vai ao encontro do tempo, por entre o sono, que termina em silêncio distante.

publicado por antonioramalho às 16:34
link do post | favorito
Domingo, 22 de Maio de 2016

Cuidado com o rio que passaste.......

Quando estamos perante situações adversas, os agumentos que nos trarão a felicidade, consideram sempre cada minuto de cada dia.

No que não merecemos, e não queremos, porque consideramos como preciosos os defeitos que transferimos dos outros.

Não são misteriosas as mentiras refutadas?

O apego que traz desânimo para distinguir o sofrimento, rende-se ao desvio do olhar.

Não encarar o que devemos mudar, sem parar, na limitação em conflito e na atitude pretenciosa de pensarmos somente em nós.

A preocupação que satisfaz a determinação do amor, constantemente decerto esperava colocar o amor no que precisamos alcançar.

Agradecer ao corpo e à mente, o que nos indica e que poderemos dizer, nas características que fazem a distinção dentro de nós mesmos.

As falhas alheias são culpadas, habitualmente, do que não percebemos.

Chove muito no sofrimento.

Deixarão o pôr-do-sol, as sementes que podem ser uma desilusão.

Confiar nos outros, perde-se nos motivos a que não estamos habituados, como um oceano, nas ondas que escapam ao amor.

O mérito acumulado desse modo, esgota a certeza de quem é.

Aprender mais do que aprender, em cada situação que vai ao encontro da inspiração.

Os obstáculos que não superam o esconderijo, naquilo que é dificil de considerar, imagina o que não é real e na perceção errada do que não existe.

Quando os desejos se apagam nas condições exteriores, afastamos as conquistas com que ficamos.

publicado por antonioramalho às 17:49
link do post | favorito

As missões gratificantes...........

Uma mudança positiva de uma oportunidade, conhece habitualmente a direção que eleva o que pode acontecer.

O conforto que podemos receber disponibiliza sempre uma compensação na paz interior. 

As ações que correspondem aos momentos mais profundos, saboreiam um tempo de autoconhecimento.

A mistura do que vivemosna reflexão que dedicamos ao caminho que podemos encontrar.

As pequenas coisas, motivam-nos, inspiram-nos numa missão, gratificante nas atitudes e no despertar.

A importância de entendermos a necessidade do momento que chama o coração, no que damos ao outro, dentro de nós, e que tem a ver com fazer algo mais.

Trazer alegria nos olhos que brilham e na forma de tornar melhor a vida dos outros, no que existe dentro de nós. Tem a ver com o movimento capaz de escutar e dar tempo, e que enriquece o que se faz.

No significado da existência, conectar o que se tornou recente na compreensão de uma missão positiva, que revela as questões por diante, que nos acontecem.

Desenvolver as circunstãncias de uma vida na maneira de olhar, através do que é preciso em cada palavra.

publicado por antonioramalho às 08:04
link do post | favorito

Até acordarmos..

É noite dentro.........

E os sonhos que mudariam a realidade, teimam em não chegar.

Na porta do silêncio, que não se abre, e no coração sombrio que escurece o pôr-do-sol, foi igualmente em frente, como nós lhe chamamos.

Não foi, porque quis ser...

O que tinha a dizer, alguma coisa?

O privilégio de envelhecer juntos....

O privilégio de andar de mãos dadas pelo parque...

Se gostava de partilhar...

Se gostava de passar tempo juntos...

De querer estar juntos...

Sinto o teu abraço!

...como bem entenderes...

Tem de estar algures....

Deixa-me ver!

Para ouvires, que o amor existe onde mora a felicidade..

Um pouco de ti...é bem capaz...

Provavelmente...o resto do dia, num instante, que não vai acontecer...

Ninguém me disse o que tenho que fazer....

O mais difícil é saber....

Vamos ficar juntos...até acordarmos!

 

publicado por antonioramalho às 01:29
link do post | favorito
Quinta-feira, 19 de Maio de 2016

Facebook do livro " O caminho da felicidade"

Foi criado o facebook do livro " O caminho da felicidade", com textos do livro e imagens diversas, em:

 

ocaminhodafelicidade

publicado por antonioramalho às 10:30
link do post | favorito

Existe um Mundo.....

Existem um Mundo dos opostos. Existe um Mundo dos semelhantes. Existe até a indiferença e o comum.

Existe um cantinho perfeito, nos corações escondidos.

Porque é que as pessoas não aprenderam a sorrir ao arco-íris?

As cores dispersam-se nas coisas da vida e dão um colorido às diversas situações, que na maioria dos casos, não entendemos.

O homem sente e intepreta. habitualmente mal e incorretamente.

O homem vê e não vê. Habitualmente está na penumbra.

O homem perde-se no voo infinito das aves sonhadoras, mesmo à sua frente.

E o calor que continua a existir....lembrando que a primavera está a acabar.

Mas o homem não vê que tudo é fugaz..tudo se desfaz... e pouco persiste.

O homem não consegue ver para lá do horizonte tristonho.

Na roda que gira, o tempo fustiga os corações partidos e olha-se, sem ver, o horizonte.

Não há limites para lá do pôr-do-sol.

Não há crenças que nos afastem da realidade.

Vivemos porque sim e não sabemos viver porque não.

...Talvez porque ainda não aprenderam a gostar da chuva!...............

publicado por antonioramalho às 10:20
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.links

.Visitantes desde Junho de 2010

.De onde visitam: