.posts recentes

. O labirinto das emoções

. A sombra do que é a luz

. O que pode ter quem é

. O que diga por lágrimas

. O que realmente podemos f...

. LIVRO DE POESIA

. Amor verdadeiro, realidad...

. O que aprendi no teu corp...

. A direção da oportunidade

. Vai viver o teu sonho

. Para sonhar, nos teus bra...

. Querer ser o que sentes p...

. O mar de alguém

. Chamar o vento que não ac...

. O que não quer chegar

. Conhecer o que quer dizer

. Por ti…porque és mulher!

. A Árvore da vida

. Os erros no silêncio

. A atitude de ser o presen...

.arquivos

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Quinta-feira, 3 de Março de 2016

Porquê sofrer? (3)

A adversidade corre na ausência de protecção de um momento para entrar nos desafios, seja qual for o resultado.

A escuridão, carente da luz da Lua, angustia-se no interior, a cada passo do silêncio.

Voltar atrás não é suficiente na ironia de um túnel que prossegue para chegar. As referências capazes de chamar o interior na direcção contrária ao Sol ocultam a única opção.

O medo de perder combina sempre a realidade e a essência que está em nós. A insegurança e as limitações na oportunidade para aprender sempre. Interpretar o presente na realidade que se começa a construir.

Parar porque o medo nos procura, para ser as palavras da prudência em noite escura.

Deixamo-nos guiar pela intimidade de uma relação que oferece resistência à sabedoria. O coração que nos desafia caminha para a alegria, através da união dos pensamentos e dos sentimentos.

O medo, a inquietação e as preocupações, através de nós, levam inevitavelmente a uma resposta diferente. A luz que se move nas setas das palavras e na realidade que a acompanha sempre.

Agradar a todos não se esgota nem produz uma linguagem de unidade.

O significado do despertar escuta a esperança e a fé nas virtudes que acompanham a dignidade.

A compaixão na missão de nos perdermos quando desviamos o olhar.

Abrir as janelas liberta-nos dos caminhos do tempo.

A generosidade da presença não deve mudar a capacidade de compreendermos a questão crucial.

publicado por antonioramalho às 18:20
link do post | favorito

Porquê sofrer ? (2)

Quem permanece no nome da vontade pode encontrar a decisão de um projecto na existência, de um sentido e de uma harmonia.

Incapazes de amar, rejeitamos a vida num mosaico para uma referência aos outros, que não é mais do que um sinal de um homem simplesmente isolado na riqueza de um testemunho.

A diferença na coragem que determina o que erguemos diante de nós.

Despertar a consciência como uma esperança renovada em cada dia.

A manifestação de uma linguagem que irradia vida e abre as portas.

Aprender a amar na experiência de estar juntos. A aprendizagem em tudo o que nos é dado.

Viver na entrega de quem semeia amor num caminho ideal, na partilha da simplicidade.

Multiplicar o perfume que nunca nos abandona.

A força interior que transforma a compreensão do silêncio e que se acaba no tempo e admiração.

Não crescer sem pensar no medo que cria as circunstâncias diferentes.

É difícil adivinhar onde estamos no futuro após alguns novos atrasos que se juntam.

Enfrentar o desconhecido num propósito que se tornará realidade, independentemente das circunstâncias que ocorram.

Perceber que a acção é fundamental e necessária.

Criar uma realidade quando aprendemos a procurar dentro de nós.

As atitudes e as acções numa viagem que depende da semente, que surge num sorriso.

Viver cada instante na razão que aproveita o futuro de um entendimento e que começa nas mãos do tempo.

O desejo que vai ao encontro de um resultado.

publicado por antonioramalho às 14:36
link do post | favorito

Porquê sofrer?

É necessária uma nova atitude......

Colocar alegria e entusiasmo numa forma de viver mais simples e numa nova expressão de coragem que deverá mover a vida de cada um.

Empenharmo-nos num novo caminho para nós mesmos...face ás dificuldades...

O desafio de alcançar e encontrar o amor num pensamento de fé, que não se rende...

estar cego e nada ver..numa razão que não ajuda.

Não adianta gritar diante das adversidades e a tudo o que nos desagrada.

Os ressentimentos e as incompreensões nas experiências de um quotidiano. Ir ao encontro de um agradecimento por saber receber.

As limitações da dependência dos outros na escuridão que está diante de nós.

As nossas interpretações e expetactivas opôem-se à indiferença e ao afastamento.

A reacção de quem enfrenta as adversidades querendo vencer pelo bem, que todos desejam.

A estratégia de quem não está de passagem muitas vezes e que chega demasiado tarde.

Para lá do que nos mostra a vida, algumas situações perguntam a quem devemos servir verdadeiramente na mudança e no medo de encontrar a indiferença.

As limitações da desmoralização implica perder capacidades quando nos confundimos face aos obstáculos dentro de nós.

As facilidades não são perguntas do coração.

A culpa de quem sente a debilidade e que comunica uma insatisfação.

Ainda estamos a querer compreender e a crer.

As palavras cativantes não baixam a renúncia a aceitar.

Estar longe das coisas que serão fáceis nas desculpas.

O alcance do que entendemos deve significar o nascer do amor na razão das palavras e dos actos.

Os limites continuam a ser gratuitos e manifestam-se nas comparações.

A dualidade de uma libertação sentida nas respostas à vida...............

 

publicado por antonioramalho às 12:30
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.links

.Visitantes desde Junho de 2010

.De onde visitam: