.posts recentes

. O labirinto das emoções

. A sombra do que é a luz

. O que pode ter quem é

. O que diga por lágrimas

. O que realmente podemos f...

. LIVRO DE POESIA

. Amor verdadeiro, realidad...

. O que aprendi no teu corp...

. A direção da oportunidade

. Vai viver o teu sonho

. Para sonhar, nos teus bra...

. Querer ser o que sentes p...

. O mar de alguém

. Chamar o vento que não ac...

. O que não quer chegar

. Conhecer o que quer dizer

. Por ti…porque és mulher!

. A Árvore da vida

. Os erros no silêncio

. A atitude de ser o presen...

.arquivos

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Domingo, 23 de Agosto de 2015

Uma beleza exterior estonteante.....e nada mais....

Era uma vez uma donzela de beleza estonteante....Linda!

Cabelos da côr-do-Sol. Pele angelical.

Estonteante de cada vez que tocava o vento...em todo o seu ser...

Uma beleza mágica que desconcertava ...Uma beleza que não conseguia viver consigo mesma...

Irradiava uma luz enebriante que hipnotizava...Era tudo o que tinha....

A donzela apaixonou-se pela própria beleza ...quis humilhar as outras mulheres e ridicularizar os homens.

Em lado nenhum conhecemos verdadeiramente...a beleza interior....

Um olhar que fixava......para lá do que vemos....

Esqueceu-se de se conhecer...........

Cruzou-se com a superficialidade....

Quis ser mais bela do que o Sol...Quis transformar a sua beleza em perfume de coração....

Olhos nos olhos sem pestanejar....e enfrentou o Sol!

Mai uma vez...e outra vez!...

O Sol, impertubável, não percebeu bem o que aquela donzela estava a fazer...e continuou a irradiar luz a calor para todos, como sempre o fez...

Enganou-se a ela própria....

E ela cegou.....sem ter conhecido a vida....

A donzela tornou-se um erro...a luz tornou-se escura... e ela permaneceu errada!...

Retiraram-lhe a única coisa que tinha....

Cegou pela própria beleza....

 

publicado por antonioramalho às 16:06
link do post | favorito
Sábado, 22 de Agosto de 2015

E se um dia eu fosse o Sol?

Fazias sombra ou dançavas ao vento?...

Desafiavas o equilíbrio do deserto?

Mudava algo em ti?

Entusiasmavas-te de verdade com o momento?

Em qualquer lugar do Mundo seria ainda mais difícil...do que em nós próprios....

Faz parte desta vida eternamente.........

Podíamos falar todas as noites....

Interagíamos com a vegetação e criavamos energia.

Alcançavamos o desafio imediato....

Mudavam de opinião e os problemas estariam dentro do Sol? Nada seria um jogo.....

Aprendias o incrível...em cada flor...em cada rio....em cada arvore...

Em cada porta o importante era construído......

Seria bom podermos olhar para o céu....e encontrar as aves...

Seria a luz de volta...

Resolveríamos os problemas que querem desligar...Conseguíamos manter as fases sob controle..

Adaptaríamos a vida à própria luz....Teríamos de fazer a ligação...

Porque.....À noite aqui faz muito frio!...............

Eu penso exactamente o mesmo...............

publicado por antonioramalho às 11:26
link do post | favorito
Domingo, 16 de Agosto de 2015

A carta encantada...........

Escondemos o tempo das memórias na orientação do que precisamos.

Não somos nada ou somos muito pouco. Não nos deixaram construir o suficiente.

Porque lutamos e continuamos a lutar desconhecendo sempre como a dor nos afecta.

Adoramos as cores, mas podia estar mais quente.

A carta encantada não provou a virtude. A confusão da sobrevivência esfumou-se nas escolhas que não esperam.

Havia falta de estrelas na noite de Verão. As nódoas do sucesso fecham as portas do momento.

O significado não funciona nos problemas e na esperança. O risco importa sempre no pensamento.

A partilha da situação no risco do coração.

Esperar a fé nas oportunidades que fazem viver a história.

Conseguimos sempre demonstrar na vida o encantamento do amor valorizando o que recebemos.

O rumo que seguimos esbate-se nas personagens sem controle que desconhecemos.

Há sempre uma imaginação obrigatória na fantasia da ideia.

Há sempre uma poesia que interroga.

publicado por antonioramalho às 10:59
link do post | favorito
Domingo, 9 de Agosto de 2015

A última gota de chuva...

A última gota de chuva ficou exausta.

A realidade de um dia no deserto. O sentido de uma visão.

Um grupo de sobreviventes que se prepara.

O alcance de uma oportunidade não se move depressa.

Evitam andar.

A ameaça de um perigo na areia. As cores fáceis de uma presa.

O Sol de uma noite à espera. É necessário nascer e é necessário viver.

Renovar a esperança nos trilhos da seca. Os trilhos vivos de uma casa por alugar.

A aventura a nascer de um Pôr-do-Sol. A característica perdida de uma verdade que queremos.

É difícil escolher uma vida fácil de perigos.

A dureza da vida que se detém na escrita.

É preciso iniciar a experiência.

publicado por antonioramalho às 20:01
link do post | favorito
Terça-feira, 4 de Agosto de 2015

Não há antídoto para o amor....

Não há cofres, nem armários...

Não há certezas!

Ninguém sabe como é...

O que estava no cofre?

Amar e ser amado...

Sei onde está....

Existe um lugar secreto...

Não se pode julgar!

Os sonhos estão cheios...

Está impresso no coração....

Nunca respondemos ás perguntas...

Parece estar!

Possui sempre um valor significativo...

Sempre temos que descobrir o que está escondido...

Vamos buscar nomes...

Envolvemo-nos...

As portas estavam abertas....

Não explicamos melhor...Ficámos a sentir ...

Já estávamos no caminho...que nunca acaba!

Sentir o que sentimos....

Afinal para que precisamos de um antídoto?

publicado por antonioramalho às 11:24
link do post | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

.links