.posts recentes

. O impossível na sorte

. Sentir a tua falta

. A indiferença que murmura

. Responder ao impossível

. Nos versos do Poeta

. A interpretação do que nã...

. O que suspira no tempo em...

. Abrir as portas adormecid...

. Olhar a diferença

. O cenário que entende o a...

. O motivo que sentia a von...

. A dor que não sonha

. Cantar o vazio

. Tocar os meus olhos nos t...

. O amor de não ser

. Olhar a máscara nos limit...

. O pensamento escrito na s...

. As lágrimas que cresceram...

. Emoldurar a verdade

. O beijo no limite do teu ...

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Sábado, 30 de Setembro de 2017

Mulher

Excerto do livro de poesias “ Mulher”

 

Porque és mulher,

nasceste diferente,

na tua dor

e no teu amor,

nas lágrimas a sorrir,

ao mesmo tempo.

Quiseste vencer

na vida, na família,

como uma árvore

que se ramifica

e sorri ao Sol,

no aspeto e na imagem

no exemplo

de força e beleza,

No olhar

de quem és,

a crescer

como ser humano

unida,

ao nome, à terra e ao sempre.

O que acontece

no que imaginas e sonhas,

e no que está escrito,

na condição como indicação,

que seja a maneira de dizer

o que tinhas sido

capaz de querer.

O que não lamenta,

no que parece

e no que sabe

e no que querer,

nos conflitos,

nas dificuldades

e no desejo

do quotidiano, que constróis

na prudência e na sensibilidade,

à volta de um abraço

nos pontos de vista,

do que estás a fazer.

Em teu nome,

na tua postura,

e na tua atitude,

és quem mostra

a vontade de vencer

como alguém que gosta de verdade,

Queres amar

e ser amada,

simplesmente,

como se fosse difícil

não o ser.

Queres sentir

o destino

que segue o seu caminho.

Porque és mulher,

filha e mãe,

sabes amar

e querer,

estar no olhar

e vencer.

Procuras

o amor,

na existência

que pensa

e compreende

o presente.

No brilho do teu olhar

cantas em frente

do coração,

o gosto de conhecer

o lugar

do amor.

Sofres pelo homem

na espera

de o ter.

Só para teres

amor,

abdicas

de ti,

no rosto

e no sentir,

de seguir o tempo.

Tocaste

a imagem

da coragem,

na beleza

de não esquecer.

No teu rosto,

percebeste,

nasceste

a saber

que a razão

não é amor.

Fazer de ti,

o que decidiste

por amor,

e que nada mais interessa.

Deixaste a tua vida

pelos outros,

porque não quiseste amar-te.

Fechaste

o teu coração

ao amor

na paixão, a sentir o tempo que passa.

Porque tens o amor,

de outro alguém

sempre

dentro de ti.

Fechaste

muitas vezes

o coração

ao querer e ao desejo

pelos outros.

Fazes pontes

entre os outros

dentro de ti.

Porque és mulher

sempre soubeste

sofrer e amar

em silêncio.

Porque és mulher,

como poema de uma vida,

na raiva e na doçura

de uma luta constante

que não falha

e que vai voltar na nova oportunidade.

publicado por antonioramalho às 16:23
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.links

.Visitantes desde Junho de 2010

.De onde visitam: