.posts recentes

. O êxtase de ti

. Mulher amor

. Porque te quero

. O que chama a noite no cé...

. Nem acredito que te lembr...

. Posso deixar aqui uma lág...

. O espaço que nos ensina a...

. Luz na escuridão

. FRAGMENTOS DE AMOR

. Para te amar....

. O sorriso no momento, por...

. Longe do que estivesse no...

. Um dia

. A solidão de ti

. O que visualizamos dentro...

. Mulher

. A Ponte Entre Duas Árvore...

. Nada ter na certeza

. O que estamos a fazer

. Sem ti.....

.arquivos

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Domingo, 16 de Julho de 2017

A forma como vemos os outros......

……diz muito de quem somos….

A perceção que começa na experiência a ter, o que pensávamos que estava e que disse que ficou com o tempo, a passar a verdade e a ser na verdade, com os nossos sentimentos na razão.

A influência a atingir, no que passou a ser o que fazer certo, na orientação que esperávamos ao que se passasse, na influência com o tempo na verdade.

A espera que aconselhou o que devemos fazer, passou a ser o que importa que aceitemos, para ver a causa que olhamos na perceção que influencia o que precisava de atenção.

Para ver o que determina o que deveríamos ter, na maneira de ver o que separa as suas perspetivas, do que quer dizer.

O que poderia revelar a interação de quem somos, na revelação do que precisamos de pensar, na intenção de um tempo suficiente, que poderia causar o seu favor, no diálogo que se tornou o que conhecia e achou, à sua frente.

O resultado de quem somos, na maneira que trata o que dizemos, na maneira que tem o tempo, a observar o respeito que revela, como eram as pessoas que vão encontrar a aproximação do propósito, ao que determina o que fazemos.

A parte de nós, que éramos o que acreditávamos, desempenha o papel que tinha e que vivesse, para escolher o importante para mudar.

O que esperará para determinar as nossas atitudes, na melhor forma que pode ser o princípio a manter na perspetiva da escolha, que determinará a nossa vida.

O que escolhemos e que queremos, capaz de mudar o que ficou na lição em que acreditamos, é possível perguntar o caminho onde estivemos.

O papel que colocasse o que se refere, na questão que descreve a nossa atitude, poderia fazer a escolha que alega ser, sob a transformação, na interação da diferença, que é o que desafiam as palavras que acompanham a influência que fizemos, no que acreditamos que possa ser.

publicado por antonioramalho às 11:43
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

.links

.Visitantes desde Junho de 2010

.De onde visitam: