.posts recentes

. O que confessam os teus l...

. O que és tu

. Por um olhar

. Viver no sofrimento de me...

. O que ia parecer

. Para ser o que sinto

. Os pensamentos de ter

. Carta não entregue

. O que escreve uma lágrima

. Por amor

. Mais do que palavras

. O que precisava de fazer

. O que esperava

. A vida para sentir

. A cor do silêncio

. A raiz do medo

. O que encontrou, que havi...

. Sobressair na bondade

. O que o tempo não apaga

. O sentido que partilha a ...

.arquivos

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Janeiro 2014

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Agosto 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

Terça-feira, 27 de Agosto de 2013

O que está certo ou errado?.....

A dificuldade de entender o que é certo ou errado!...

Na certeza de que não há certezas....apenas uma atitude apropriada ou que se julga a mais indicada...num dado momento......naquele fragmento de tempo....

Não havendo certezas...porque o próprio Tempo pode tornar tudo relativo...não há a mínima possibilidade de querermos julgar o outro..ou as acções e atitudes do outro.........

Aprendemos e viciamo-nos no julgar os outros, baseados no simples facto de que isto está certo e aquilo está errado......Mas, em concreto, o certo e o errado não existem!...

Porque o próprio se encarregará de transformar aquilo que julgamos certo....em errado! E o que julgamos errado ....em certo!

Deste preâmbulo excluem-se as atitudes contra os valores ou a integridade do ser humano...em que serão sempre erradas seja em que momento for...

......................................................

Em relação às atitudes para com os outros...o mais correcto deverá ter como base a compreensão, a flexibilidade e a adaptabilidade....sempre num balanço entre ATITUDE versus UM DADO MOMENTO.

Interpretar a noção de tempo, questionando o próprio Tempo....no contexto das próprias atitudes....

Inevitavelmente, deve sempre inserir-se a atitude..no contexto...em que decorreu...........

A Atitude.....é então baseada num acto individual, resultado duma escolha....inserida no contexto envolvente dessa atitude....e sempre, mergulhadas no próprio Tempo.

Agora....interpretar a atitude dos outros...ou mesmo julgá-las...deve ser medida em função da atitude individualizada, mas no contexto e no fragmento de Tempo em que decorreram........

Como podemos saber qual é a atitude mais apropriada naquele caso concreto?..................

..........................

Então...............se é assim, como podemos julgar os outros?..............

 

publicado por antonioramalho às 17:59
link do post | favorito
|
Quinta-feira, 8 de Agosto de 2013

Saborear a vida..............

Saborear a comida.....não é o mesmo do que comer....

Saborear a vida não é sinónimo de viver...é muito mais! É deliciarmo-nos com a vida...envolvermo-nos com a própria vida...Sentir a plenitude da vida ...em nós!

Saborear a vida está intrínsecamente ligado ao fenómeno de bipolaridade: a relação com os outros, baseado numa atitude de respeito, amor e ajuda para com os outros...como se eles fizessem parte de um todo onde estamos nós também....O outro elo somos nós próprios..em que evoluimos e crescemos interiormente, de modo a percebermos que há algo mais além do que estamos. do que somos e do que sentimos verdadeiramente...como uma extensão de nós, nas relações interpessoais e no próprio Universo.

Somos uma pequena parte de um todo...

Saborear o momento é conseguirmos que o próprio momento faça parte de nós e não apenas que façamos nós parte desse momento...

A acção interdependente de todos os factores pessoais envolvidos num propósito único...saborear a água quando temos sede..saborear a comida quando se tem fome...saborear a vida, quando se vive....

O ser humano está, de um modo geral, mal formatado....porque habitualmente só dá valor ...à ausência ...e sente mesmo e só...a falta do que não tem...

A rotina enfastia o ser humano e fá-lo baixar os braços na conquista...

Quando não se tem algo...dá-se um valor imenso..Mas...quando se tem...habituamo-nos..aquietamo-nos..e não valorizamos....

Se tivermos sede...a primeira água tem sempre um sabor especial...integral...total, físico, mental, emocional e espiritual...Conseguimos canalizar todos os 4 itens num propósito único...a satisfação total....o qual resulta num gosto total...e pletórico... As águas seguintes já não têm o mesmo sabor....nem a sentimos verdadeiramente nessa plenitude...

Saborear a vida...básicamente....é conseguir que as águas seguintes que bebemos....possam ser sentidas e vividas como foi a primeira água após a sede...

Conseguir canalizar o físico, mental, emocional e espiritual num único sentido...

Sentir a plenitude em tudo o que fazemos, em todos os actos, em todos os momentos....como se cada momento fosse, de facto, o último a ser vivido...

A vida é demasiado curta para não ser devidamente saboreada............

 

 

publicado por antonioramalho às 10:43
link do post | favorito
|
Sexta-feira, 2 de Agosto de 2013

A história das duas janelas....

Era uma vez uma menina que, a dada altura de vida, se deparou perante duas janelas....ou melhor, uma janela...Ou seriam duas?...

Bom, de facto, eram duas janelas, a janela da tristeza e a janela da felicidade...

Mas.....no entanto, a menina só conseguia ver uma janela...a janela da tristeza...

Mas estavam lá, naquele momento preciso da vida, duas janelas....

Anteriormente....a menina tinha sido magoada...tinha uma dor imensa dentro de si

Após essa dor...tinha deixado de acreditar...no amor e nos outros....

E quando ela olhava para as duas janelas...só conseguia, de facto, ver uma delas.........a janela da tristeza....

A escuridão que emanava da janela da tristeza, quando ela olhava para ela, ofuscava-lhe a visão...não a deixava ver claramente

Os seus pensamentos eram uma cascata de pensamentos negativos ...Negava-se a viver...negava-se a sorrir...os seus olhos perderam brilho....

Há momentos assim na vida....em que estamos perante duas janelas...mas só conseguimos ver uma delas....

Ao vê-la assim cabisbaixa. ombros descaídos e adinâmica.....passou por ela o vento, que sibilou.....

"Há duas janelas á tua frente.....para conseguires ver a outra janela....tens que abrir o coração...e procurar lá dentro a chave certa para ver e abrir a janela da felicidade ...

Deixa falar o coração!............"

A menina ouviu...e assim fez...ou será que não fez?

Essa decisão iria determinar duas realidades ou dois caminhos.....

O poder da decisão está sempre dentro de nós.....

A capacidade de vermos para além da realidade está no coração....

 

publicado por antonioramalho às 10:23
link do post | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.links

.Visitantes desde Junho de 2010

.De onde visitam: